Homem detido por roubos por esticão na linha de Sintra

A PSP deteve um homem, de 21 anos, no cumprimento de um Mandado de Detenção, emitido pela Autoridade de Polícia Criminal, no âmbito de um inquérito em que se investigava a atividade de um grupo que se dedicou à prática de roubos por esticão nos comboios na Linha da CP de Sintra.

Dois outros suspeitos já haviam sido detidos em março e estão presos preventivamente. O agora detido está referenciado por vários roubos por esticão em transportes públicos, viajou para fora do território nacional com o claro objetivo de evitar a ação da

Justiça, o que invalidou a sua detenção.

Assim que regressou, foi localizado e detido. Nos roubos, os arguidos agiam de forma concertada combinando entre si roubar objetos, nomeadamente fios de ouro, aos passageiros que viajavam nos comboios da Linha de Sintra.

Para tal, delineavam estratégias de atuação conjunta, onde cada um tinha a sua tarefa bem definida, nomeadamente, quem é que realizava o esticão, puxando o objeto em ouro, e quem ficaria de vigia e a segurar as portas, para assim garantirem o sucesso da sua atividade.

Os roubos praticados revestiram-se de especial violência e perversidade, existindo alguns casos em que as vítimas chegaram a ser agredidas com pontapés e murros, tirando sempre vantagem da superioridade numérica que possuíam.

Os roubos renderam mais de 2 000 euros. Ontem, depois de ser presente a 1.º Interrogatório Judicial no Tribunal de Instrução Criminal, foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva. Todos estes detidos incorrem numa pena que pode ir dos três aos 15 anos de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.