GNR apreende 2217 parafusos furtados de ramal ferroviário

Mais de 2.200 parafusos furtados do ramal ferroviário entre Cantanhede e Figueira da Foz foram hoje apreendidos numa busca domiciliária em Montemor-o-Velho, revelou fonte da GNR de Coimbra.

Os 2.217 parafusos de grandes dimensões (designados por 'trifon') foram aprendidos numa busca efectuada durante a manhã num acampamento em Vila Franca, Arazede, numa operação que envolveu 12 militares do Destacamento da GNR de Montemor-o-Velho.

De acordo com a fonte da GNR de Coimbra, foi identificado um suspeito, um homem de 38 anos residente naquele acampamento, que já tinha sido detido em Fevereiro como presumível autor do furto de 775 peças daquele ramal desactivado.

Nessa altura, o indivíduo ficara sujeito a apresentações diárias às autoridades.

A busca inseriu-se num processo relativo a vários crimes de furto de material afecto à propriedade da Refer, adiantou a GNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...