Elevador em Alfama estará pronto até ao fim do ano

O elevador que vai ligar o miradouro das Portas do Sol à Rua Norberto Araújo, na zona baixa de Alfama, estará pronto até ao final do ano, disse à Lusa o vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa.

"Até ao final do ano estará pronto", garantiu hoje Manuel Salgado, referindo-se ao elevador que está a ser construído no interior de um edifício situado junto da Igreja de São Miguel, perto do miradouro das Portas do Sol.

O vereador falava à margem da apresentação do projeto vencedor para a requalificação do Campo das Cebolas, que decorreu na Fundação José Saramago.

O elevador está integrado na rede de acessibilidade assistida e passeios pedonais que a autarquia está a desenvolver e que terá quatro percursos: Campo das Cebolas/Castelo (caminho da Sé), Castelo/Graça, Alfama/Portas do Sol e Martim Moniz/Castelo.

Os trajetos serão articulados com estações de metro e cinco parques de estacionamento com um total de 1.100 lugares no Chão do Loureiro, no terminal de cruzeiros, no Campo das Cebolas, na Rua dos Lagares e no Coleginho.

Em agosto, foi inaugurado o elevador da Rua dos Fanqueiros, para facilitar a ligação, gratuita, entre a Baixa e Costa do Castelo.

Para subir da Baixa ao Castelo de São Jorge, lisboetas e visitantes podem apanhar o elevador no edifício recuperado dos números 170/178 da Rua dos Fanqueiros e sair no Largo Adelino Amaro da Costa (Largo do Caldas). Depois, daí subir no elevador panorâmico do antigo Mercado do Chão do Loureiro, concluído em 2011, até à Costa do Castelo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.