Duo que tentou matar inglês conhece acórdão

Um rapaz e uma rapariga acusados de homicídio qualificado na forma tentada de um inglês, que esteve em coma e que correu risco de vida após um roubo no Bairro Alto, em Lisboa, conhecem hoje o acórdão.

O advogado do arguido disse à agência Lusa que o Ministério Público (MP) pediu, nas alegações finais, uma pena de sete anos de prisão para cada um dos arguidos, ambos com 21 anos e em prisão preventiva ao abrigo deste processo.

A leitura do acórdão está agendada para as 13:30 na 1.ª Vara Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.

No despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, na madrugada de 01 de outubro de 2011, a vítima, acompanhada de três primos - todos embriagados -, decidiu regressar ao hotel. O ofendido, de 37 anos, ficou para trás à conversa com um grupo de jovens na rua, enquanto os familiares apanharam um táxi de volta para o hotel.

Gareth Jackson circulava "só" e "perdido" no Bairro Alto, quando o duo, ao aperceber-se de que se tratava de um "cidadão estrangeiro embriagado", decidiu retirar-lhe o dinheiro e outros objetos. O arguido começou por pedir-lhe um cigarro e depois um euro, mas o jovem recusou a entrega do dinheiro e disse que não fumava.

O agressor agarrou o ofendido enquanto a rapariga retirou-lhe o telemóvel. O jovem ofereceu resistência, tendo o arguido dado "três murros na face" e "pontapés no corpo" da vítima.

Ato contínuo, e quando Gareth Jackson estava caído no chão, a arguida pegou numa pedra e "desferiu várias pancadas na cabeça e face" do jovem, que ficou "prostrado e "inanimado", enquanto os arguidos abandonaram o local com a sua carteira e o seu telemóvel.

De acordo com o MP, o ofendido esteve cerca de meia hora "inconsciente e a respirar com grande dificuldade, numa poça de sangue", até que o segurança de um condomínio pediu ajuda.

As agressões provocaram a Gareth Jackson vários traumatismos, nomeadamente craniano com perda de conhecimento, intracraniano, craniofacial grave, além de feridas e diversas fraturas ósseas.

O ofendido esteve em coma durante duas semanas no Serviço dos Cuidados Intensivos do Hospital de São José, em Lisboa. Segundo a acusação, o jovem "correu risco de vida".

Como consequência da conduta dos arguidos, o ofendido padece atualmente, de um certo grau de deficiência ao nível cognitivo, sendo de realçar a perda de memória a curto prazo, bem como a perda da memória associada aos factos e ao período que se seguiu à mesma, passado em Portugal.

Os dois arguidos encontram-se em prisão preventiva e estão acusados em coautoria e em concurso efetivo de um crime de roubo qualificado e de um crime de homicídio qualificado na forma tentada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?