Dois detidos por 'carjacking' a agente da PSP

Dois homens foram detidos no Vale da Amoreira, na madrugada de domingo, depois de terem roubado violentamente o carro ('carjacking') a um agente da PSP, poucos minutos depois deste ter saído da esquadra da Baixa da Banheira, Moita.

Fonte da PSP adiantou hoje à agência Lusa que o agente tinha acabado de sair de serviço e deslocava-se para casa, quando poucos metros depois de ter arrancado foi alvo de "carjacking" por parte de três homens. "O agente ia no seu carro particular quando três homens se colocaram no meio da estrada. Por instinto, e para evitar um atropelamento, o agente parou, sendo de imediato rodeado pelos assaltantes, que lhe abriram ambas as portas do carro", disse a fonte. Os três assaltantes, com idades entre os 20 e os 30 anos, não usaram nenhuma arma, mas puxaram o agente para fora do carro, envolvendo-se num confronto físico.

"Puxaram o agente para fora do carro e este defendeu-se. Depois os três conseguiram imobilizá-lo e acabaram por fugir do local com a sua viatura", acrescentou a fonte da PSP. O agente comunicou então à esquadra e poucos minutos depois o carro foi localizado na zona do Vale da Amoreira. "Os três foram surpreendidos pela polícia e encetaram a fuga a pé, deixando o carro no local. Um acabou por ser detido e outro apareceu na manhã seguinte na esquadra, dizendo que era irmão do detido", acabando também detido, relatou a fonte.

O carro ficou com vários danos e o agente também sofreu ferimentos, apesar de não serem graves. A mesma fonte disse ainda que antes deste assalto, os suspeitos, que têm antecedentes criminais, tinham tido um acidente no Barreiro, com o carro da mãe de um deles, que abandonaram no local. Os dois detidos foram hoje ouvidos em Tribunal mas não são ainda conhecidas as medidas de coação que lhes foram aplicadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.