Dois detidos por 'carjacking' a agente da PSP

Dois homens foram detidos no Vale da Amoreira, na madrugada de domingo, depois de terem roubado violentamente o carro ('carjacking') a um agente da PSP, poucos minutos depois deste ter saído da esquadra da Baixa da Banheira, Moita.

Fonte da PSP adiantou hoje à agência Lusa que o agente tinha acabado de sair de serviço e deslocava-se para casa, quando poucos metros depois de ter arrancado foi alvo de "carjacking" por parte de três homens. "O agente ia no seu carro particular quando três homens se colocaram no meio da estrada. Por instinto, e para evitar um atropelamento, o agente parou, sendo de imediato rodeado pelos assaltantes, que lhe abriram ambas as portas do carro", disse a fonte. Os três assaltantes, com idades entre os 20 e os 30 anos, não usaram nenhuma arma, mas puxaram o agente para fora do carro, envolvendo-se num confronto físico.

"Puxaram o agente para fora do carro e este defendeu-se. Depois os três conseguiram imobilizá-lo e acabaram por fugir do local com a sua viatura", acrescentou a fonte da PSP. O agente comunicou então à esquadra e poucos minutos depois o carro foi localizado na zona do Vale da Amoreira. "Os três foram surpreendidos pela polícia e encetaram a fuga a pé, deixando o carro no local. Um acabou por ser detido e outro apareceu na manhã seguinte na esquadra, dizendo que era irmão do detido", acabando também detido, relatou a fonte.

O carro ficou com vários danos e o agente também sofreu ferimentos, apesar de não serem graves. A mesma fonte disse ainda que antes deste assalto, os suspeitos, que têm antecedentes criminais, tinham tido um acidente no Barreiro, com o carro da mãe de um deles, que abandonaram no local. Os dois detidos foram hoje ouvidos em Tribunal mas não são ainda conhecidas as medidas de coação que lhes foram aplicadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?