Crise financeira leva municípios a produzir menos lixo

A crise originou uma redução no lixo produzido pelos municípios da península de Setúbal, com uma quebra de cerca de 7% em 2011 em relação ao ano anterior, numa tendência que se mantém em 2012.

A Amarsul, empresa municipal responsável pela recolha do lixo nos nove municípios da península de Setúbal, refere, no relatório e contas de 2011, que a crise financeira que afeta o país originou uma redução de consumo, que provocou, por sua vez, uma redução de resíduos urbanos e equiparados gerados.

Em 2010, a Amarsul recolheu cerca de 443 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos nos municípios, enquanto em 2011 recolheu apenas 414 mil toneladas, com Setúbal a ser o concelho com uma maior redução, de 85 mil toneladas para 75 mil, menos 12%.

Os restantes municípios - Barreiro, Moita, Seixal, Almada, Alcochete, Sesimbra, Montijo e Palmela - também registaram reduções em 2011, o que originou uma quebra geral de cerca de 7%.

"O decréscimo da entrada de resíduos nos ecoparques da Amarsul mantém-se, fator que podemos atribuir ao contexto económico atual. Em 2012 já evidenciámos uma diminuição de 11% de resíduos entrados, comparativamente a 2011", disse à Lusa fonte oficial da empresa Amarsul.

A mesma fonte referiu, contudo: "Não podemos inferir esta percentagem aos resíduos depositados em aterro, uma vez que as novas instalações de aproveitamento de resíduos que possuímos permitem-nos prolongar o tempo de vida dos aterros e um reencaminhamento dos resíduos indiferenciados".

A nível geral, a empresa multimunicipal, que pertence em 51% à Empresa Geral de Fomento (pública) e em 49% aos municípios, conseguiu um acréscimo de 2,8% de resíduos em 2011, o que se deveu a um aumento de entradas de resíduos provenientes da Tratolixo, empresa intermunicipal detida em 100% pela AMTRES - Associação de Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra.

A Tratolixo - que há um ano inaugurou um ecoparque em Mafra que permite encaminhar os resíduos não passíveis de qualquer aproveitamento, embora a funcionar de forma gradual no primeiro semestre - passou das 66 mil toneladas em 2010 para as 115 mil toneladas em 2011, num aumento de quase 75%, decisivo para compensar as quebras dos municípios da região de Setúbal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.