"Continua a existir aborto clandestino"

Yolanda Hernández, Directora da Clínica dos Arcos.

As portuguesas continuam a ir à Clínica Los Arcos, em Espanha?

Há bastantes portuguesas que vão a Espanha, mas o número tem vindo a baixar, como seria de esperar. Vão pela proximidade a que estão da fronteira ou para manterem a confidencialidade, com medo de serem reconhecidas nas clínicas ou hospitais. Se bem que a sua identidade nunca será revelada.

O número de abortos foi maior com a entrada da nova lei ?

O número de abortos irá aumentando à medida que a informação sobre a despenalização vai chegando a mais mulheres. Mas o crescimento é mais evidente nos hospitais públicos. O que é natural, uma vez que ali as mulheres têm um aborto comparticipado pelo Estado a 100%, até às 10 semanas de gestação. Ainda assim, na clínica houve um aumento de 23% no primeiro semestre do ano em relação a 2008. Com a nova lei até esperávamos que inicialmente houvesse grande procura, mas as mulheres têm vindo com o tempo.

Ainda existe aborto ilegal em Portugal?

Estou convencida de que ainda existem muitos casos de aborto clandestino no País. É mais fácil para uma mulher ir a uma clínica fazer o aborto e ficar despachada no próprio dia do que seguir as normas, que a obrigam a ir a uma consulta inicial e regressar três dias depois para fazer a interrupção da gravidez..

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...