Comemorações dos 500 anos até ao final de 2013

As comemorações dos 500 anos do Bairro Alto, em Lisboa, vão prolongar-se até dezembro com várias iniciativas culturais que querem demonstrar que o local não serve apenas para entretenimento noturno.

O presidente da Associação de Moradores do Bairro Alto, Luís Paisana, afirmou à agência Lusa que a organização pretende "mostrar a perspetiva de um bairro com património e cultura, rodeado de história e monumentos, pois existe uma ligação [do bairro] a várias figuras, nomeadamente ao Fernando Pessoa (escritor) que faleceu no bairro alto".

A ideia da celebração é envolver uma grande parte da zona histórica do bairro e desse modo "o conceito é alargado, incluindo-se outros espaços como o Largo do Carmo e Teatro S. Carlos e freguesias de Santa Catarina e Bica", disse o presidente da associação.

Este mês serão feitas duas conferências, um mercado de rua e duas visitas guiadas ao centro histórico do bairro, para além de espetáculos de dança, música, teatro e congressos culturais que se irão prolongar até dezembro de 2013,ocasião em que se celebram os 500 anos, refere um comunicado da organização.

As comemorações do 'BA500' iniciaram-se em abril com uma a peça de teatro "Pequenas Comédias", de Georges Feydeau, no Teatro do Bairro, e com uma visita guiada ao Museu da Farmácia.

A comissão organizativa conta com o apoio de várias entidades, nomeadamente a Associação de Moradores do Bairro Alto, Irmandade da Misericórdia e de São Roque de Lisboa, Club Rio de Janeiro, Museu da Farmácia e Associação Portuguesa de Livreiros Alfarrabistas.

O Bairro Alto é um dos bairros históricos de Lisboa, que começou a ser construído no século XVI e é essencialmente um bairro habitacional, que se transformou, sobretudo nas últimas três décadas, num dos polos de diversão noturna da capital mais procurados por portugueses e estrangeiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.