Carris registou mais de 1600 furtos por carteiristas

Os autocarros e os elétricos da Carris registaram mais de 1600 furtos por carteiristas em 2013, sendo os transportes públicos de Lisboa com mais ocorrências deste tipo, seguidos do metro e dos comboios da CP, segundo um relatório policial.

Ao longo de 2013, a polícia recebeu 5779 queixas por furtos de carteiristas, em Lisboa, o que representa um prejuízo superior a dois milhões de euros, de acordo com um relatório da Divisão de Investigação Criminal de Lisboa, e ao qual a agência Lusa teve acesso.

Nesse ano, registaram-se 1672 furtos em autocarros e elétricos da Carris, sendo janeiro o mês em que houve menos furtos (70), e agosto onde houve mais ocorrências (217). Foram ainda apresentadas 107 queixas por furtos nos comboios da CP e 330 no Metro de Lisboa.

Dos 1672 furtos participados, mais de 1050 ocorreram no interior dos elétricos 15 e 28.

No elétrico 28, que faz a ligação Graça/Estrela e sentido inverso, há o registo de 764 furtos por carteiristas. O relatório refere que é um transporte de pequena dimensão, quase sempre lotado e que passa por vários pontos turísticos, "proporcionado aos carteiristas as condições ideias para perpetuarem o crime".

O elétrico 15, que liga a Praça da Figueira a Belém e vice-versa, registou 299 furtos. Este elétrico liga dois pontos muito cobiçados pelos turistas - Baixa Lisboeta/Belém e vice-versa -, que, apesar de ser um transporte de grande dimensão, o tempo de viagem "permite aos carteiristas esperar pela melhor oportunidade para efetuarem os furtos", refere o documento.

A polícia reconhece que sinalizar com exatidão um local onde ocorreu um furto cometido por carteirista é "como encontrar uma agulha num palheiro". Sendo um crime que ocorre maioritariamente por astúcia, a vítima só se apercebe do furto quando "necessita" dos bens.

Apesar desta realidade, das queixas apresentadas pelos ofendidos junto da polícia, verifica-se que os furtos sucedem maioritariamente em transportes públicos, via pública, estabelecimentos comerciais e estabelecimentos de restauração, respetivamente.

Em 2013, foram apresentadas 2109 queixas por furtos de carteiristas em transportes públicos, 1961 levados a cabo na via pública, 479 em estabelecimentos comerciais, 301 em estabelecimentos de restauração e os restantes noutros locais.

O relatório sublinha que 70 por cento das 5779 queixas apresentadas e analisadas pela polícia se situam na Baixa da capital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.