Carris registou mais de 1600 furtos por carteiristas

Os autocarros e os elétricos da Carris registaram mais de 1600 furtos por carteiristas em 2013, sendo os transportes públicos de Lisboa com mais ocorrências deste tipo, seguidos do metro e dos comboios da CP, segundo um relatório policial.

Ao longo de 2013, a polícia recebeu 5779 queixas por furtos de carteiristas, em Lisboa, o que representa um prejuízo superior a dois milhões de euros, de acordo com um relatório da Divisão de Investigação Criminal de Lisboa, e ao qual a agência Lusa teve acesso.

Nesse ano, registaram-se 1672 furtos em autocarros e elétricos da Carris, sendo janeiro o mês em que houve menos furtos (70), e agosto onde houve mais ocorrências (217). Foram ainda apresentadas 107 queixas por furtos nos comboios da CP e 330 no Metro de Lisboa.

Dos 1672 furtos participados, mais de 1050 ocorreram no interior dos elétricos 15 e 28.

No elétrico 28, que faz a ligação Graça/Estrela e sentido inverso, há o registo de 764 furtos por carteiristas. O relatório refere que é um transporte de pequena dimensão, quase sempre lotado e que passa por vários pontos turísticos, "proporcionado aos carteiristas as condições ideias para perpetuarem o crime".

O elétrico 15, que liga a Praça da Figueira a Belém e vice-versa, registou 299 furtos. Este elétrico liga dois pontos muito cobiçados pelos turistas - Baixa Lisboeta/Belém e vice-versa -, que, apesar de ser um transporte de grande dimensão, o tempo de viagem "permite aos carteiristas esperar pela melhor oportunidade para efetuarem os furtos", refere o documento.

A polícia reconhece que sinalizar com exatidão um local onde ocorreu um furto cometido por carteirista é "como encontrar uma agulha num palheiro". Sendo um crime que ocorre maioritariamente por astúcia, a vítima só se apercebe do furto quando "necessita" dos bens.

Apesar desta realidade, das queixas apresentadas pelos ofendidos junto da polícia, verifica-se que os furtos sucedem maioritariamente em transportes públicos, via pública, estabelecimentos comerciais e estabelecimentos de restauração, respetivamente.

Em 2013, foram apresentadas 2109 queixas por furtos de carteiristas em transportes públicos, 1961 levados a cabo na via pública, 479 em estabelecimentos comerciais, 301 em estabelecimentos de restauração e os restantes noutros locais.

O relatório sublinha que 70 por cento das 5779 queixas apresentadas e analisadas pela polícia se situam na Baixa da capital.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.