Barcos param amanhã à tarde devido a plenário

O Grupo Transtejo anunciou hoje que as ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, vão parar na tarde de terça-feira devido a um plenário dos trabalhadores.

Os trabalhadores da empresa Soflusa, que pertence ao Grupo Transtejo, vão realizar um plenário no Barreiro, que vai originar a paralisação das ligações entre o Barreiro e o Terreiro do Paço das 13:25 às 16:20 e no sentido inverso entre as 13:25 e as 16:50.

Os trabalhadores estão contra as reduções de horários no transporte fluvial e as alterações de escalas de serviços, temendo despedimentos no futuro.

Vão também analisar uma proposta dos trabalhadores da empresa Transtejo, que pertence ao mesmo grupo, para a marcação de um dia de greve nas duas empresas, de três horas por turno, ainda durante o mês de março.

O grupo Transtejo anuncia que o terminal do Terreiro do Paço será esta terça-feira encerrado nos períodos de paralisação das ligações "por questões de segurança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.