Bairro Alto pede que lojas fechem mais cedo

Moradores, comerciantes e freguesias do Bairro Alto pediram hoje ao presidente da Câmara de Lisboa a redução dos horários de funcionamento das lojas de conveniência da zona, que "aumentam a venda de álcool" e, consequentemente, "a violência na rua".

As associações de moradores e de comerciantes do Bairro Alto e as juntas de freguesia da Encarnação e de Santa Catarina, onde se insere aquela zona histórica - mas também de diversão nocturna - reuniram-se esta tarde com o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa.

"Tentámos concertar uma estratégia para resolver o problema do ruído e da violência provenientes do álcool na via pública. Sugerimos ao presidente a limitação dos horários de funcionamento das lojas de conveniência para evitar a venda de álcool mais barata", disse à Lusa o presidente da Associação de Moradores do Bairro Alto, Luís Paisana, no final da reunião.

Em Junho, António Costa colocou em período de audição pública uma proposta de limitação do horário de funcionamento das lojas de conveniência para que estas estivessem abertas entre as 8.00 e as 19.00 todos os dias da semana, antecipando em sete horas o encerramento destes estabelecimentos.

Na altura, o autarca salientou verificar-se que "estes estabelecimentos asseguram predominantemente a venda de bebidas alcoólicas a retalho, fazendo-o em garrafas de vidro, que os consumidores transportam e consomem na via pública", uma actividade que é "gravemente prejudicial para a segurança e saúde pública".

De acordo com Luís Paisana, "o presidente ouviu [as reivindicações apresentadas pelas quatro entidades presentes na reunião] e comentou que estavam a ser estudadas estas medidas, mas não adiantou nada em concreto" sobre as iniciativas nesta área.

O representante dos moradores afirmou que esta é uma preocupação também dos comerciantes, que "são muito afectados por estes estabelecimentos ilegais", que por venderem maior quantidade de álcool a preços mais baixos "dão cabo dos negócios" dos bares naquela que é uma das principais zonas de diversão nocturna da capital.

"Neste momento os comerciantes estão tão preocupados como nós em limitar o crescimento das lojas, porque traz violência, há rixas com as garrafas de vidro, que depois ficam no chão. Traz muita insegurança. E há dois ou três anos não se sentia nada disto, mas agora assim", adiantou.

As quatro entidades reunidas com a câmara defenderam também multas de 300 euros e maior fiscalização para a venda de bebida em vidro para a rua, bem como para a falta de higiene, ruído e violência.

No que diz respeito ao funcionamento dos bares e restaurantes do Bairro Alto, os moradores dizem que "não têm qualquer problema", desde que "funcionem com condições", como casas de banho abertas aos clientes e isolamento de ruído nos espaços com música durante a noite.

Na reunião com António Costa, foi ainda abordada a falta de mobilidade e os problemas de estacionamento no bairro, bem como "a danificação constante dos pilaretes" de entrada naquela zona, que "permite a quem não vive no bairro tirar lugares de estacionamento dos moradores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.