Bairro Alto faz 498 anos a desejar visitantes diurnos

O Bairro Alto, em Lisboa, assinala este mês o seu 498.º aniversário com um programa que inclui concertos, conferências e exposições fotográficas e de pintura, num momento em que os comerciantes lamentam a desertificação diurna deste espaço.

Este é o segundo ano em que a iniciativa Dia do Bairro Alto lembra a data de 15 de Dezembro de 1513, quando foi dada autorização para a construção de habitações na então Vila Nova de Andrade. Desta vez, as iniciativas culturais vão decorrer de 11 a 18 de Dezembro.

O presidente da Associação de Comerciantes do Bairro Alto, Belino Costa, disse à agência Lusa que o Dia do Bairro Alto é um "mecanismo" para levar pessoas à zona, que nos últimos anos viu sair as principais actividades económicas diurnas que ali se encontravam há várias décadas -- jornais e ateliers de moda.

"O Bairro Alto é uma ilha que está isolada. Durante o dia está a desertificar-se e está excessivamente dependente da noite. Nós pretendemos um equilíbrio e reanimar o bairro durante o dia", apontou.

Belino Costa adiantou que a questão da desertificação deste espaço durante o dia é um dos temas que vai ser discutido durante as duas conferências organizadas pelo Instituto Universitário de Lisboa, que vão decorrer a 13 e a 15 de Dezembro.

A celebração do Bairro Alto arranca a 11 deste mês com um concerto da Orquestra do Conservatório Nacional, no salão nobre do Conservatório, e termina a 18 com uma sessão de fados no Espaço Santa Catarina.

O cantar de parabéns ao Bairro Alto, na Praça Luís de Camões, no dia 15, às 19:00, e várias exposições fotográficas e de pintura, dentro dos estabelecimentos comerciais do bairro, são algumas das iniciativas que vão decorrer nesta semana.

O Dia do Bairro Alto é organizado pela associação de comerciantes local e por vinte empresas e estabelecimentos da zona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.