Assessor do PS na CM Lisboa acusado de fraude

Pedro Gomes é acusado de fraude na obtenção de subsídio, porque acumulou um subsídio de um centro de emprego com o ordenado na autarquia.

O Ministério Público acusou um assessor da vereadora socialista da Câmara de Lisboa Graça Fonseca por um crime de fraude na obtenção de subsídio.

Segundo a acusação da 9ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP), Pedro Gomes terá acumulado um subsídio do Instituto do Emprego e Formação Profissional do Montijjo (IEFP), na ordem dos 40 mil euros, com um contrato de avença com o gabinete da vereadora no valor de 3950 euros/mês. Por lei, tal acumulação é ilegal, uma vez que o subsídio concedido pelo IEFP está relacionado com o Programa de Estímulo à Oferta de Emprego, direcionado para beneficiários de prestações de desemprego, como era o caso de Pedro Gomes.

De acordo com a acusação do procurador José Ranito, a 22 de Dezembro de 2008, Pedro Gomes rescindiu o seu contrato de trabalho com a empresa AEDIS, passando, por isso, a beneficiar do respectivo subsídio de desemprego. Em Julho de 2009, Pedro Gomes apresentou no IEFP do Montijo a sua candidatura ao programa, apresentando a empresa Construway, cujo objectivo seria a criação do seu próprio emprego e de novos postos de trabalho.

Só que em Novembro de 2009, a vereadora Graça Fonseca contratou-o como assessor para o seu gabinete, com uma avença de 3950/mês, mais IVA, ao mesmo tempo que o IEFP do Montijo lhe deferiu a candidatura ao apoio financeiro. Já com o contrato de avença com a autarquia assinado, Pedro Gomes, segundo o Ministério Públicou, rubricou, na qualidade de sócio-gerente da Construway, o segundo com o IEFP, que lhe permitia obter um apoio financeiro de 57 mil euros. O IEFP ainda chegou a fazer transferências para Pedro Gomes na ordem dos 40 mil euros. O Ministério Público considera que houve fraude, uma vez que, com um contrato de emprego na autarquia, Pedro Gomes não poderia beneficiar de apoios para cidadãos desempregados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.