Assaltantes condenados a pena suspensa de 3 anos

Os três homens que confessaram o assalto a um café em Paço dos Negros, na freguesia de Fazendas de Almeirim, foram hoje condenados a três anos de prisão, com pena suspensa por igual período.

A juíza do coletivo advertiu os três de que a pena representa uma espada que pende sobre as suas cabeças e que, se voltarem a cometer atos criminosos, serão imediatamente presos. Segundo disse, o tribunal teve em conta o facto de terem confessado "sem reservas" os factos que constavam da acusação e terem mostrado arrependimento.

Na sessão do passado dia 11, os três homens, dois com 24 anos e um com 34 anos, confessaram o assalto ao café, do qual levaram um écran LCD, tabaco e 400 euros em dinheiro, mostrando arrependimento. A residir em Portugal desde 2005, todos com morada em Almeirim, os arguidos, que se encontravam presos preventivamente, foram libertados depois da última sessão.

A acusação referia a participação dos arguidos em outros crimes, praticados na região e no Algarve.

Nas buscas domiciliárias realizadas pela GNR após a detenção, em maio de 2011, foram recuperados objetos resultantes de outros furtos, nomeadamente ocorridos no Chouto (Chamusca) e no kartódromo de Almeirim. Os bens furtados do café foram devolvidos e os arguidos disseram ao tribunal ter pago uma verba de 200 euros para ressarcir o proprietário dos danos causados no estabelecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.