António Costa procura apoios à esquerda

António Costa e José Sá Fernandes assinaram ontem o acordo que os colocará na mesma lista recandidata à gestão da capital. Foi também anunciado que o mandatário financeiro será alguém que desempenhou iguais funções na candidatura presidencial de Manuel Alegre. Apoio que se soma aos de Carlos do Carmo e José Saramago.

Com Lisboa em fundo e a presença tutelar do arquitecto Gonçalo Ribeiro Teles, António Costa e José Sá Fernandes anunciaram ontem, no miradouro da Graça, o acordo que os unirá na mesma lista candidata à Câmara Municipal de Lisboa.  Um acordo há muito esperado e que segue aquele que os dois estabeleceram após as autárquicas de Julho de 2007, que levaram António Costa a presidente da câmara. Nessa altura José Sá Fernandes era vereador independente eleito à frente de uma lista do Bloco de Esquerda (ver caixa).  Hoje António Costa apresentará a sua recandidatura a presidente, no jardim de São Pedro de Alcântara.

O acordo ontem apresentado será formalmente entre Costa e José Sá Fernandes, líder da Associação Cívica Lisboa É Muita Gente.  A Associação tem o apoio, entre outros, de personalidades como Gonçalo Ribeiro Teles, o antigo vereador e fundador do PPM Luís Coimbra, o professor universitário Delgado Domingues, o cartonista Augusto Cid, o realizador José Fonseca e Costa e os actores Virgílio Castelo e Miguel Guilherme.

"Com este acordo, damos um novo impulso para que o trabalho continue no próximo mandato",  sublinhou António Costa, adiantando que o objectivo é promover uma "maior qualidade ambiental e maior eficiência energética" à cidade. "Ao longo de dois anos, foi um prazer trabalhar com Sá Fernandes e a relação permitiu virar uma página na política ambiental em Lisboa", acrescentou.
Sá Fernandes sublinhou, pelo seu lado, a componente ambiental do trabalho que desenvolveu na autarquia desde há dois anos. "Pretendemos continuar a defesa dos mesmos valores que nos guiaram nos últimos dois anos, com planos que estamos a executar para preparar o futuro". Nas questões ambientais, António Costa acrescentaria uma meta: "Queremos acabar com o escândalo dos cem mil esgotos que vão directamente para o Tejo sem qualquer tratamento.". "Espero que [o próximo mandato] corra tão bem como o anterior", sublinhou Sá Fernandes.

Pescar à esquerda

António Costa prossegue, entretanto, o seu esforço para "pescar" votos à esquerda. Ontem anunciou que o mandatário financeiro da sua candidatura será Pina Pereira, que foi mandatário financeiro de Manuel Alegre na candidatura presidencial de 2006.

Pina Pereira foi também gestor da Parque Expo e da RTP. O seu apoio à candidatura socialista soma-se ao do fadista (militante do PCP) Carlos do Carmo, que será o mandatário político da candidatura. Na sexta-feira, um outro destacadíssimo militante do PCP, o Nobel da Literatura José Saramago, declarou também o seu apoio, afirmando esperar "que seja presidente por muitos anos mais". O actor Raul Solnado será o  mandatário sénior, como há dois anos.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.