7 chineses acusados de associação criminosa e lenocínio

O Ministério Público acusou sete cidadãos chineses pela prática de crimes de associação criminosa para a imigração ilegal e de lenocínio (incentivo à prostituição com fins lucrativos), divulgou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Três arguidos encontram-se em regime de prisão preventiva, tendo a actividade criminosa decorrido entre o ano de 2010 e 06 de Fevereiro de 2011, data da intervenção policial executada pelo Serviço de Estrangeitos e Fronteiras (SEF), que desmantelou o grupo. Este grupo de sete arguidos fazia parte de uma associação criminosa de exploração sexual de mulheres provenientes da China, recorrendo para o efeito a redes transnacionais.

"As mulheres angariadas desta forma criminosa eram exploradas em vários prostíbulos na cidade de Lisboa e no sul do país, na sua maioria em situação ilegal, sendo provenientes de rotas clandestinas que passavam por França e Espanha, por exemplo", nota a PGDL, sublinhando as "situações de grande vulnerabilidade" das vítimas. Segundo os investigadores, as mulheres são quase todas devedoras e vítimas de uma rede de tráfico humano que lhes cobrou elevados montantes para as traficar para a Europa e que lhes subtraiu todos os documentos de viagem e identificação.

Por este motivo, ficavam reféns das elevadas dívidas contraídas à rede que as traficou da China para a Europa e cujos líderes e traficantes de seres humanos são vulgarmente designados por "Cabeça de Cobra". Com esta actividade, os arguidos obtinham lucros elevados à custa da especial vulnerabilidade das mulheres imigradas ilicitamente e prostituídas à força.

A investigação foi dirigida pelo Ministério Público da 7ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa e executada pelo SEF.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.