Governo quer avançar com posto da GNR no Carregado

O Ministério da Administração Interna vai avançar com a instalação um posto da GNR no Carregado, concelho de Alenquer, um anúncio que deixou hoje satisfeitos os autarcas que têm alertado para o aumento populacional e da criminalidade violenta.

"O senhor ministro já se tinha comprometido junto da câmara e é uma boa notícia", disse à agência Lusa o presidente da câmara, Jorge Riso (PS), que espera que a candidatura à regeneração urbana da vila possa ser aprovada para obter fundos comunitários necessários a adaptar as instalações, onde o posto vai funcionar.

" margem de um jantar do PSD na segunda-feira à noite no Carregado, o governante afirmou à agência Lusa que "há luz verde" para se instalar o posto da GNR na vila, uma situação que "carece de intervenção prioritária" da tutela, admitiu.

Miguel Macedo adiantou que já houve uma visita ao Carregado da Direção-Geral das Infraestruturas e Equipamentos das Forças de Segurança para conhecer possíveis localizações. O ministério está "a avaliar" a hipótese de instalar o futuro posto da GNR na antiga escola do primeiro ciclo do Carregado, uma localização proposta pela câmara municipal, e está a encetar medidas no sentido de "mobilizar" o dispositivo policial necessário.

A Câmara de Alenquer aprovou, por unanimidade, uma moção enviada ao Ministério da Administração Interna, a alertar para os problemas de insegurança no Carregado e a propor localizações para instalar o novo posto.

A proposta foi apresentada pelos vereadores da coligação PSD/CDS-PP. O vereador e presidente da concelhia do PSD de Alenquer, Nuno Coelho, lembrou ao ministro que, entre 1991 e 2001, a vila do Carregado cresceu 116 por cento e cresceu 23 por cento, de acordo com os últimos Censos.

Contudo, sublinhou, o aumento populacional não foi acompanhado por um reforço policial e "assiste-se a uma falta de segurança enorme", verificando-se um "aumento de assaltos a moradias, pessoas, estabelecimentos comerciais, indústrias e casas particulares à noite, com os donos dentro das residências.

A vila do Carregado possui cerca de 11 mil pessoas das 43 mil residentes no concelho, com uma grande percentagem de população estrangeira.

Fonte da GNR admitiu em abril à agência Lusa que a existência de um posto da GNR na vila "constituiria uma mais-valia, aumentando assim a capacidade de prevenção pela dissuasão e reação em tempo oportuno de incidentes naquela que é a freguesia mais problemática".

Segundo a mesma fonte, a crise financeira e as boas acessibilidades rodoviárias, que atraem "grupos marginais que aí se deslocam e rapidamente se ausentam para parte incerta, têm contribuído para a existência de fenómenos de criminalidade.

Assaltos à mão armada, roubos por esticão e assaltos a caixas multibanco por grupos organizados têm vindo a ocorrer com maior incidência no Carregado, vila que "inspira maiores preocupações" para a GNR.

Em fevereiro, a Junta de Freguesia do Carregado aprovou uma moção a exigir medidas contra a insegurança que foi enviada à tutela, primeiro-ministro e Comando-Geral da GNR.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG