Elvas investe 200 mil euros na Europa e no Brasil

O município de Elvas investiu "200 mil euros" em campanhas de promoção, em vários canais de televisão da Europa e do Brasil, para atrair turistas e investidores à cidade, distinguida como Património Mundial, pela UNESCO.

"O objetivo passa por atrair mais turistas e investidores, dando a conhecer as enormes potencialidades do concelho e não baixando os braços em altura de crise", justificou hoje à agência Lusa a vereadora da Cultura, Elsa Grilo.

A autarca garantiu que a Câmara de Elvas "tem capital" para fazer face à despesa, uma vez que tem desenvolvido "uma boa gestão" nos últimos anos.

"Isto não é deitar dinheiro fora, mas sim um investimento. Nós estamos a gastar dinheiro para ter um determinado retorno e conseguirmos maior desenvolvimento", explicou.

A campanha promocional, centrada no Centro Interpretativo do Património de Elvas, decorre até domingo, passando em vários canais televisivos, como a BBC, Nathional Geographic e o Canal História, entre outros.

"Trata-se de um total de 305 spots em nove canais de televisão", sobretudo europeus, indicou.

Elsa Grilo referiu que a campanha estende-se ao Brasil, também através da promoção num canal de televisão.

A iniciativa está, igualmente, a ser desenvolvida, através de publicidade, em autocarros em Madrid e outdoors nas cidades espanholas de Mérida, Cáceres e Sevilha.

A promoção da gastronomia, a "qualidade de vida" que o concelho tem para oferecer e o seu "potencial" em termos de desenvolvimento económico são outros dos objetivos da campanha desenvolvida pelo município alentejano.

Além de ter sido distinguida recentemente como Património Mundial, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), outro dos motivos que levou à realização da operação foi o facto de Elvas estar a assinalar os 500 anos de elevação a cidade.

Por outro lado, o Presidente da República designou este ano a cidade de Elvas para sede das comemorações oficiais do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...