Duas rotundas no Marquês de Pombal dividem opiniões

As opiniões dividiam-se ao final da manhã de hoje perante mais uma rotunda no Marquês de Pombal, em Lisboa, com automobilistas a preverem mais dificuldades na circulação e outros convencidos de que a "bagunça" pode acabar.

Raul Sousa é um dos condutores que dá nota positiva ao desdobramento em duas da rotunda, além da alteração nos sentidos do trânsito na zona.

"Está bem alterado e para melhor comodidade dos transportes públicos, inclusive", afirma o condutor à agência Lusa, depois de ter percebido, por experiência própria, as modificações numa das principais zonas de circulação da capital.

"Para entrar para a avenida Duque de Loulé tive de entrar na Avenida da Liberdade e depois virar à direita e novamente à direita. Só isso, foi simples", resume.

As alterações decididas pela autarquia visam reduzir carros e poluição. Além das duas rotundas, a Avenida da Liberdade tem uma faixa central para veículos particulares e outra para o transporte coletivo, enquanto as laterais deixam de ser de atravessamento e passam a ser faixas para trânsito local.

A rotunda interior corresponde à que existia e dá acesso à rua Joaquim António de Aguiar, à Avenida Fontes Pereira de Melo e à Avenida da Liberdade.

A rotunda exterior é usada pelos transportes públicos e permite o acesso à Rua Braancamp e à Avenida Duque de Loulé.

Camilo Neto garante que o trânsito no Marquês de Pombal "sempre foi péssimo", mas agora está mais otimista.

"Pelo jeito, parece que vai melhorar. Antigamente era uma bagunça, com um corta para cá e outro corta para lá e agora parece que está melhor", diz, num português com sotaque do Brasil.

Fernando Alves é estreante no novo figurino da rotunda e garante que já "percebeu" as alterações.

"Não é difícil. Acho que vai melhorar porque estava tudo encafuado na rotunda e assim distribuí-se melhor o trânsito", defende.

Rui Viegas prevê que o trânsito fique "mais confuso" e diz que "vai haver mais carros parados e mais poluição".

Já o taxista Amilcar Graça reprova as "modernices" e nota que das "duas ou três vezes" que fez o percurso "não gostou muito do sistema".

O taxista prevê que no Inverno a circulação fique mais complicada porque "há qualquer coisa que não está bem".

"Eu já não vou nestas andanças, nestas modernices que eles fazem e o dinheiro que gastam quando há muita gente a passar fome", critica.

Também taxista, mas sem estar hoje de serviço, o brasileiro Sebastião Sousa é outra voz critica: "Isto está muito mal, têm de gastar menos dinheiro e isto muda muito pouca coisa"

Outro taxista, Vítor Pereira, espera por segunda-feira para dar o veredicto final: "A partir de amanhã, segunda-feira, é que vamos ver se melhora ou fica na mesma".

Por enquanto, vai achando que é "uma boa ideia" porque, em vez de o "tráfego se amontoar todo na rotunda, há várias saídas".

Nas faixas laterais, onde a circulação também se alterou, a velocidade máxima permitida é de 30 quilómetros/hora (km/hora).

Além destas alterações, a câmara decidiu ser possível descer a Rua Braancamp, o que já não acontecia há vários anos, e subir a rua Barata Salgueiro.

As modificações são experimentais até final de dezembro quando a câmara decidir se são, ou não, definitivas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG