Cratera em Marvão pode ter origem no excesso de água

O excesso de água nos solos poderá estar na origem do fenómeno geológico ocorrido em Marvão, no Alto Alentejo, que resultou na abertura de uma cratera com cerca de 100 metros de profundidade e 17 de diâmetro.

O geólogo Vítor Lamberto explicou hoje à agência Lusa que se trata de "um fenómeno típico" de zonas onde existem rochas calcárias e que em Portugal existem situações "similares", embora "não tenham esta dimensão".

O geólogo, que desenvolve trabalhos para instituições de investigação e rochas ornamentais, relatou, no local, que a zona de Marvão possui grutas e o tipo de rocha existente (calcário) tem tendência a "dissolver-se", formando as grutas.

"Aqui em Marvão, tivemos um ano de muita chuva. A água, nestas estruturas, infiltra-se, circula no interior e, nos calcários, circula a grandes velocidades, ou seja, o impacto que pode causar é maior", explicou.

Com a existência de rios subterrâneos, onde a água circula a grandes profundidades e velocidades e perante um ano de muita chuva no Alentejo, Vítor Lamberto indicou que esses rios "não conseguem dar vazão".

"Quando a água chega ao topo da gruta lava o material acumulado e esse material, arrastado pela água, abate isto tudo. Por isso, a dimensão que isto tem", referiu.

No entanto, o geólogo salientou que a cratera em Marvão é "interessante", devido à profundidade e com "três pequenos sumidores", mas fez questão de sublinhar que este caso não representa um episódio de "extraterrestres".

Na propriedade privada onde o fenómeno ocorreu, situada perto da aldeia de Porto da Espada, encontra-se também uma outra cratera de menor dimensão, tendo sido criado em redor de toda aquela zona um perímetro de segurança pelas autoridades.

Em declarações à Lusa, Mário Galego, rendeiro da propriedade onde o fenómeno ocorreu, mostrou-se "surpreendido" com a situação, que considerou "assustadora".

"Na sexta-feira à tarde demos com isto, não sabemos o dia certo em que isto aconteceu, provavelmente quarta ou quinta-feira. É uma situação chata e só de pensar que há poucos dias tinha aqui animais e que podiam ter abalado...", desabafou.

O presidente da Câmara de Marvão, Vítor Frutuoso, disse à Lusa que o município quer saber os "impactos" que a situação poderá vir a causar.

"Nós temos de saber os impactos que isto poderá ter em termos de estabilidade, relativamente à propriedade que é utilizada e ao acesso de pessoas. Por isso, temos que controlar uma série de situações em termos de segurança e perceber quais são as consequências que poderemos ter", disse.

Com um perímetro de segurança criado e com elementos da GNR no local, a zona tem sido alvo de visitas por parte de populares que não resistem à curiosidade de ver "in loco" o fenómeno geológico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG