Cemitério de Rio de Mouro vandalizado

Setenta gavetões do cemitério de Rio de Mouro (Sintra) foram hoje vandalizados, tendo sido roubadas dezenas de floreiras e chapas com nomes, disse à Lusa o presidente da junta desta freguesia.

"É a segunda vez que vandalizam o cemitério. Agora foram setenta gavetões, partiram vinte e tal pedras e roubaram as floreiras e chapas com os nomes", disse à agência Lusa o presidente da Junta de Rio de Mouro, Filipe Santos.

De acordo com o autarca, em fevereiro, um grupo de suspeitos entrou no cemitério e "roubou tudo o que era alumínio e pequenos adereços" tendo partido várias "santas e cruzes" que se encontravam nas campas.

Filipe Santos disse que a junta vai apenas suportar as despesas com a recuperação das pedras partidas.

Fonte da PSP acrescentou à agência Lusa que a polícia ainda não tem qualquer pista sobre os suspeitos deste crime que estará relacionado com o roubo de metais.

Apesar de haver um aumento do número de casos de furto de metais, "não é normal" esses furtos ocorrerem em cemitérios, disse a fonte policial.

"Levaram tudo o que eram componentes metálicas dos gavetões do cemitério. Não temos tido registos de atos semelhantes nesses locais. O crime mais comum relacionado com o furto de metais é o furto de fio de cobre, que mais tarde é vendido e fundido", explicou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG