Câmara quer impedir novos bares no Bairro Alto

A câmara de Lisboa não quer autorizar mais estabelecimentos de bebidas ou com espaços de dança no núcleo histórico do Bairro Alto e Bica, segundo uma proposta que vai ser debatida hoje na reunião do executivo municipal.

Na proposta, a que a Lusa teve acesso, pode ler-se que também não é autorizada a alteração de ramo de comércio para "estabelecimentos de bebidas, secções acessórias com o mesmo fim, nem para recintos de diversão ou destinados a espetáculos de natureza não artística".

Contudo, são permitidos cafés, pastelarias e casas de chá desde que a sua localização "impeça qualquer prejuízo para o uso residencial".

A câmara pretende ainda permitir novos estabelecimentos de restauração e casas de fado desde que também "não apresentem prejuízo para a qualidade ambiental urbana, nomeadamente circulação, ruído e segurança para os utentes e residentes".

Em declarações à Lusa, Ana Andrade, do movimento de moradores do Cais do Sodré e Bairro Alto "Aqui Mora Gente" mostrou-se "bastante satisfeita" com esta proposta.

"São alterações muito positivas. A câmara não permite mais estabelecimentos de venda de bebidas. Só vão ficar os que estão licenciados", frisou.

"Vão ser permitidos também restaurantes, cafés, pastelarias e casas de chá, mas espaços de dança e de diversão vão ser interditos. Isto é bastante positivo porque acabam por ser medidas com um menor impacto para os habitantes", acrescentou.

Reafirmando estar "bastante satisfeita" com as alterações, Ana Andrade sublinhou que "valeu a pena o empenhamento dos moradores neste processo".

"E não posso deixar de destacar que a câmara levou em conta e aceitou alguns dos nossos argumentos", disse a ativista.

O "Aqui Mora Gente" foi criado há uns meses para alertar para os problemas que os moradores no Cais do Sodré e no Bairro Alto sentem por causa das discotecas e dos bares.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG