21 desalojados na sequência de explosão em Chelas

Dezassete adultos e quatro crianças ficaram hoje desalojados na sequência de uma explosão que ocorreu num edifício em Chelas, Lisboa, disse fonte da Proteção Civil municipal.

De acordo com Manuel Ribeiro, trata-se de seis famílias que habitavam em edifícios localizados próximos daquele onde ocorreu a explosão, na Estrada de Chelas.

O incidente ocorreu pelas 17:00 no último andar do imóvel e provocou danos noutros edifícios e em viaturas que estavam estacionadas na zona.

A explosão, seguida de um incêndio já extinto, provocou queimaduras numa mulher de 90 anos, que, depois de assistida no local, foi transportada para o Hospital de São José.

A vítima seria a única moradora do prédio, que, depois de uma primeira avaliação, ficou "sem condições de habitabilidade", segundo a mesma fonte.

As águas furtadas, o único andar habitado, ficaram completamente destruídas, verificou a Lusa no local. O prédio tem ainda quatro pisos, incluindo o rés-do-chão.

Mário Ribeiro adiantou aos jornalistas que a autarquia está em conversações com as famílias desalojadas, para tentar encontrar respostas para cada caso.

As causas da explosão estão ainda por apurar, no entanto, as autoridades admitem ter-se tratado de uma fuga de gás.

De acordo com o segundo comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros, Tiago Lopes, estiveram hoje no local, entre corporações de bombeiros, Instituto Nacional de Emergência Médica, PSP e Proteção Civil, 94 operacionais, apoiados por 29 viaturas.

Às 20:00, a Estrada de Chelas permanecia cortada ao trânsito nos dois sentidos.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.