Sócrates esteve sob escuta durante prisão domiciliária

Ministério Público desconfia das transferências feitas pelo antigo primeiro-ministro para a ex-mulher enquanto esteve preso em Évora

José Sócrates esteve sob escuta durante o período que esteve em prisão domiciliária, avança hoje o Jornal de Notícias. Segundo esta publicação, os telemóveis da ex-mulher do antigo primeiro-ministro e do seu atual marido, bem como o telefone fixo da casa onde Sócrates vive atualmente foram alvos de escutas, pelo menos entre 16 e 27 de setembro. Algumas das conversas entre o ex-governante e Sofia Fava foram classificadas como revelantes para a investigação no âmbito da Operação Marquês.

De acordo com o JN, o Ministério Público e a Autoridade Tributária descondiam das transferências efetuadas pelo antigo primeiro-ministro para a conta da ex-mulher durante o período em que este esteve na prisão de Évora.

Na origem das dúvidas estará, segundo a mesma fonte, uma transferência com a data de 20 de janeiro. A conta de Sofia Fava no Novo Banco, que estaria a zeros, terá recebido 100 mil euros, vindos de uma conta em nome de José Sócrates. Em abril, nova transferência, desta vez de 10 mil euros. A partir de junho, os depósitos na conta de Sofia Fava e também na do seu atual companheiro, Manuel Falcão Reis, terão passado a ser feitos em dinheiro.

Estes movimentos terão permitido à ex-mulher de Sócrates pagar as prestações de um empréstimo ao BES (atual Novo Banco) para a aquisição de um monte no Alentejo, em 2012, por 760 mil euros. Segundo o JN, os investigadores acreditam que a propriedade será, na realidade, do ex-primeiro-ministro e que o dinheiro transferido é de Sócrates embora esteja na titularidade de Carlos Santos Silva, amigo do antigo chefe de governo que também é arguido na Operação Marquês.

O advogado Pedro Delille, um dos defensores de José Sócrates, não quis comentar aesta notícia em concreto, mas afirmou ao JN que "o que não é crime não pode ser escutado" e que "o que caracteriza a investigação é a coscuvelhice mais inaceitável".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG