Sindicatos decidem hoje se participam em manifestação

A comissão coordenadora dos sindicatos e associação das forças e serviços de segurança reúne-se hoje para decidir se participa na manifestação de 12 de Novembro da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública.

Na reunião, os representantes sindicais das forças e serviços de segurança vão fazer uma avaliação das decisões do actual Governo para o sector e definir uma eventual participação na manifestação de 12 de Novembro, disse à agência Lusa o secretário nacional da Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança.

Paulo Rodrigues adiantou que caso seja decidido participar na manifestação será a primeira vez que os polícias vão marcar presença num protesto organizado pela Frente Comum. O responsável salientou que a CCP está também a ponderar realizar ainda este ano outras acções de luta.

Desde que a CCP organizou, em Setembro, uma manifestação e entregou ao ministro das Finanças um documento com as principais reivindicações do sector não houve grandes mudanças, referiu Paulo Rodrigues, que é também presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP).

Segundo o sindicalista, apenas "foram ultrapassados" alguns problemas na PSP e GNR, com a integração de 16.146 elementos das duas forças de segurança nas novas tabelas remuneratórias, mas as soluções ficaram "aquém do que estava a ser reivindicado".

Os membros da PSP e GNR querem que todos os elementos sejam colocados nas novas tabelas salariais, que entraram em vigor em Janeiro de 2010, e contestam a integração dos subsistemas de saúde das forças de segurança no Sistema Nacional de Saúde.

Os representantes sindicais das forças e serviços de segurança têm hoje também uma reunião com as organizações representativas dos militares das Forças Armadas, designadamente a Associação de Oficiais das Forças Armadas, Associação Nacional de Sargentos e Associação de Praças.

Paulo Rodrigues adiantou que "para já" não está prevista qualquer acção de protesto em conjunto com os militares, servindo apenas a reunião para troca de opiniões.

A CCP é constituída pela Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), Associação Sócio-profissional da Polícia Marítima (ASPPM), Sindicato Nacional dos Guardas Prisionais (SNGP), Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF-SEF) e Associação Sindical dos Funcionais da ASAE.

Os guardas prisionais e os elementos da Polícia Marítima exigem alteração aos estatutos profissionais, o sindicato que representa os inspetores da ASAE pretende que seja criado um estatuto profissional, tendo em conta que não existem "regras" na classe.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG