Semáforos vão ficar verdes para deixar passar autocarros atrasados

Câmara de Lisboa quer mais regularidade e pontualidade na Carris, por isso avança com projeto, em fevereiro no eixo central, em que transporte de passageiros tem prioridade. É uma estratégia para convencer as pessoas a deixarem o carro

Os autocarros da Carris que circulem atrasados em relação ao horário no eixo central de Lisboa vão passar a ter prioridade nos semáforos. Ou seja, a partir do próximo mês quando um destes veículos estiver atrasado ao circular entre Entrecampos e o Marquês de Pombal os semáforos vão reconhecê-lo quando se aproxima e passarão a verde, garantindo que não perde velocidade e possibilitando a recuperação de algum tempo perdido.

Esta é uma das medidas que a Câmara Municipal de Lisboa está a implementar para que a Carris consiga oferecer uma maior regularidade e pontualidade de forma a tentar evitar que as pessoas que entram em Lisboa diariamente utilizem o automóvel.

A outra, que está em prática desde novembro é a existência de uma maior ligação entre a empresa de transporte, Polícia Municipal e a câmara no acompanhamento do tráfego e na resposta a situações em que há carros estacionados em corredores BUS ou a impedir a circulação de autocarros ou elétricos.

"Sabemos que temos de reduzir os carros na cidade de Lisboa, para isso o transporte público tem de ter qualidade. Quando perguntamos às pessoas o que querem ver alterado referem a pontualidade e a regularidade. E para isso temos de ter estabilidade nos tempos de percurso", disse ao DN Miguel Gaspar, o vereador responsável pelas áreas da mobilidade e segurança na autarquia.

Recordando que entram na cidade diariamente 150 mil carros, garante que tem de ser melhorada a sensibilização das pessoas para o uso do transporte público e a própria sinalização das zonas prioritárias para a sua circulação.

"Na cidade vamos dar prioridade ao transporte público nos semáforos. Em fevereiro, no eixo central [zona entre Entrecampos e o Marquês de Pombal] quando o autocarro chegar atrasado em relação ao horário a um semáforo vai acabar por ter prioridade", explicou ao DN o autarca. Esta situação vai ser possível porque o semáforo poderá ler um sensor que estará no autocarro e com o acesso a vários parâmetros sabe que este tem de recuperar o tempo perdido e dá-lhe prioridade na via. Tudo isto é possível em articulação com o sistema Gertrudes - o sistema de gestão e controlo de tráfego que centraliza em tempo real a circulação nas estradas da capital e que monitoriza e garante a sincronização entre os semáforos.

Atualmente o sistema está em fase de teste e avançará na primeira fase para a zona referida, seguindo-se, provavelmente, a Estrada de Benfica. "Se conseguirmos num primeiro semáforo ganhar dois minutos, no outro mais dois, isso significa, numa carreira longa, que poderemos tirar um autocarro para outra zona da cidade onde seja necessário", acrescentou Miguel Gaspar.

Veículos parados 937 horas

A preocupação com o cumprimento de horários por parte dos autocarros e elétricos é justificada com as horas que se perdem anualmente com as paragens forçadas de circulação. De acordo com a autarquia, em 2017 houve um registo de 1337 situações em que os automobilistas deixaram os carros mal estacionados levando à intervenção da Polícia Municipal e, muitas vezes, ao reboque do veículo. Resultado: houve 1480 veículos que tiveram de interromper a circulação, o que resultou em 937 horas de interrupção do serviço. "As principais queixas das pessoas é que a Carris é irregular. Por isso, o mais importante agora é ganhar regularidade e rapidez", frisou Miguel Gaspar. O vereador garante mesmo que a fiscalização ao estacionamento nos corredores prioritários já mostra resultados: "Comparando o mês de dezembro de 2017 com o de 2016, tivemos os veículos parados menos 30 horas."

Quanto às zonas onde mais se sentem os problemas de circulação estas são as ruas dos Fanqueiros e a de São Paulo, servidas por elétricos que não podem sair dos carris para ultrapassar um carro que está parado na via.

Entretanto, a autarquia está a estudar a colocação de mais corredores BUS na cidade - como por exemplo entre Alcântara e as Avenidas Novas -, mas para já a aposta vai ser em completar alguns que têm interrupções - "como na rua da Junqueira", refere o vereador - e sinalizar melhor outros. "São medidas rápidas", conclui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG