Sem financiamento transportes públicos vão "desaparecer"

Segundo a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros, o transporte público tem sido penalizado por "décadas instabilidade legislativa e confusão institucional"

A Associação de Transportadores Rodoviários de Passageiros (ANTROP) alertou hoje que o negócio do transporte público "vai desaparecer" se não houver "coragem para assumir uma rutura" através da diferenciação positiva e do financiamento do sistema.

"Nesta altura de mudança institucional e legislativa temos que ter a coragem de assumir uma rutura, com a diferenciação positiva do transporte público e o financiamento do sistema de transportes. Não para nos sustentar - até porque nós é que andamos há décadas a sustentar a mobilidade no país - mas para nos criar condições para desenvolvermos o negócio. Depois, quem se aguentar, aguenta-se. Mas a continuar assim é o negócio que está em causa", afirmou o presidente da ANTROP, Luís Cabaço Martins.

Falando durante um seminário sobre transporte rodoviário organizado no Porto pelo jornal Transportes & Negócios, sob o tema 'Alargar Horizontes', Cabaço Martins apontou a questão do financiamento do transporte público de passageiros como fundamental e recusou o princípio por alguns defendido da autossustentabilidade do sistema.

E, embora admitindo que, atualmente, "em Portugal já não se fala em autossustentabilidade" do sistema de transporte público, o presidente da ANTROP afirma que "também não se faz nada": "Na Europa a taxa de cobertura [dos custos operacionais por parte do financiamento público] anda pelos 53%, mas em Portugal é praticamente zero, o que paga [o sistema] é [o custo d]os bilhetes", sustentou.

Para Cabaço Martins, há potencial para melhorar o atual sistema de transporte público de passageiros, mas "a resposta passa pela qualidade", o que implica custos e, portanto, "não se faz com autossustentabilidade".

"É preciso garantir o serviço não só às maiorias, mas também às minorias, assegurar uma cobertura horária e espacial, frequências adequadas, um serviço estável e fiável e tempos de viagem competitivos. São precisos também preços acessíveis, bilhética integrada, intermodalidade a funcionar e informação sobre a oferta. Só que isto não se faz com autossustentabilidade", disse.

Na opinião do presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros, o sistema de transporte público português "tem valor e potencial", mas tem sido penalizado por "décadas instabilidade legislativa e confusão institucional", que levaram a uma desorganização no setor, "com planeamento inexistente e muito trabalho avulso e inconsequente e inútil, com muito desperdício de recursos".

"Como é que se pode falar em serviço público um país em que se destruíram todos os suportes do tarifário social, em que todos os operadores de transporte têm vindo a reduzir a sua oferta dadas as dificuldades, em que se diz que o transporte público deve ser autossustentável, em que não há efetiva promoção do transporte público? Temos valor e potencial mas uma infraestrutura que nos impede de avançar", lamentou perante uma plateia de operadores de transporte rodoviário.

Paralelamente, disse, "tirando algumas zonas pedonais nos centros históricos, multiplicam-se os sinais errados à população e não há uma única medida de restrição do uso do transporte individual quando, isso sim, seria promoção do transporte público".

"Continuamos a dar tiros no pé e a não ser alternativa ao transporte individual. Por isso, vivemos quebra de procura de passageiros, o que leva a uma redução da oferta, a uma perda de qualidade e à insustentabilidade dos operadores", reiterou, concluindo que: "É necessário introduzir medidas que promovam o transporte público e que criem a sua sustentabilidade. Essa única via para uma solução de futuro".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.