"Secos e molhados" foi tão marcante como o 25 de Abril

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP) afirmou hoje que "muito pouco mudou" nas reivindicações sindicais desde a manifestação conhecida como "secos e molhados" e comparou o signicado deste acontecimento com o 25 de Abril de 1974.

Paulo Rodrigues falava numa reunião da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia, na Voz do Operário, em Lisboa, local de onde os polícias rumaram ao Terreiro do Paço, para entregar uma moção ao ministro da Administração Interna, a 21 de Abril de 1989, tendo sido recebidos por colegas do Corpo de Intervenção com canhões de água, por ordem superior.

Num discurso dirigido aos cerca de 120 associados da ASPP presentes hoje na Voz do Operário, Paulo Rodrigues comparou o signicado deste acontecimento para os polícias com o do 25 de Abril de 1974 para os portugueses em geral e sublinhou que "muitos dos direitos que foram reividicados em 1989 continuam actuais", nomeadamente o pagamento das horas extraordinárias, uma remuneração compatível e o reconhecimento da dignidade profissional.

"Agora, temos liberdade de expressão, mas ignoram o que dizemos e desculpam-se com o 'vamos analisar'. Antigamente, diziam, pura e simplesmente, que não", ironizou o dirigente da ASPP.

O sindicalista aproveitou o encontro para fazer um apelo à mobilização dos polícias para a manifestação marcada para 21 de Maio, lembrando que foi entregue sexta-feira, ao Governo, uma moção com reivindicações "muito claras" e das quais os polícias não abdicam.

Os polícias vão concentrar-se hoje na Praça do Comércio, em Lisboa, para assinalar a carga policial de há 20 anos sobre elementos da PSP e dizerem ao Governo que estão descontentes com o projecto de estatuto profissional.

Está prevista, para as 17:00, uma concentração no Terreiro do Paço que vai juntar os nove sindicatos da Polícia num protesto para assinalar não só os 20 anos dos "secos e molhados", mas também para demonstrar o "descontentamento" que dizem existir na corporação.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG