'Se não for presidente da AR, depois avaliarei"

Fernando Nobre não esclareceu na entrevista à RTP se renunciará ao cargo de deputado do PSD caso não seja eleito presidente da Assembleia da República. E assumiu que é um homem de esquerda.

Assumindo o que disse ao semanário "Expresso", apesar de ter admitido que não soube passar a mensagem, Nobre deixou uma resposta para depois das eleições.

"Eu nunca quis ser deputado nem presidente da AR. Só quis ser Presidente da República. Eu não exigi nem negociei nada. Passos Coelho fez-me uma proposta que depois de uma semana de reflexão decidi aceitar. O que disse a Passos Coelho na altura foi que falarei com ele e ajuizarei melhor qual o melhor lugar para desempenhar", referiu, acrescentando: "Se não for eleito presidente da AR, avaliarei qual é o lugar mais adequado. Não é pressão política. Sou adulto e responsável. Eu estou em missão por Portugal. Se for eleito, e não venha a ser nomeado presidente da AR, na altura certa ajuizarei o lugar mais adequado para mim e para servir Portugal"

Nobre reforçou depois o seu "desapego por qualquer poder". "Sempre disse que não queria nenhum cargo político. Quando Passos Coelho me lança a proposta de encabeçar a lista por Lisboa e que o meu nome seria proposto para a AR, fiquei espantado. Mostrou um arrojo especial e um desafio para mim. Pela primeira vez poderia estar nesse lugar um cidadão livre".

"Passos Coelho pediu-me uma resposta rápida. Pedi-lhe uma semana para pensar. Foi uma semana muito dificil, inclusive junto da minha familia. E depois acabei por aceitar", disse.

O ex-candidato à Presidência da República garantiu depois que não é nem será filiado no PSD e que na próxima semana vai reabrir a sua página do Facebook. E também assumiu que é "um homem de esquerda".

Nobre admitiu ainda que aceitaria o convite de qualquer partido caso lhe fosse oferecido o cargo de presidente da AR: "Teria aceite se tivesse confiança no líder. Para mim são importantes as relações pessoais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG