Salário e trabalho de professores aumentaram até 2011

Os salários dos professores aumentaram em Portugal, entre 2005 e 2011, mas as horas de ensino também, segundo um relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), hoje divulgado.

Naquele período, os salários dos professores de todos os níveis de ensino subiram 12 por cento, quatro vezes mais do que a subida média de três por cento nos países da OCDE, de acordo com o relatório "Education at a Glance 2013".

O documento indica que em 2011 os salários dos docentes eram cerca de 19 por cento mais elevados do que os de muitos trabalhadores com idêntica formação superior noutros setores.

Já no ano passado, quando da apresentação do relatório frisava-se que os professores portugueses auferiam salários superiores a outros trabalhadores licenciados.

Responsáveis da OCDE admitiam na ocasião uma alteração da situação em 2012, devido às medidas de austeridade, incluindo os cortes salariais no setor público. No entanto, o documento agora divulgado não contém dados do ano passado.

Os relatores referem, por outro lado, que foram também alargadas as horas de trabalho.

"Os professores passaram 880 horas a ensinar na sala de aula, nas escolas do 1.º e 2.º ciclos, em 2011, quase mais 100 horas do que média dos países da OCDE, e mais 65 horas do que em 2005", lê-se no relatório.

Nas escolas públicas com 3.º Ciclo e secundário o aumento foi "ainda mais drástico", referem os autores do estudo.

De 2005 para 2011 o tempo de ensino aumentou em 210 horas para os professores do 3.º Ciclo e 265 horas para os do ensino secundário - até 774 horas de ensino por ano em ambos os casos -, excedendo a média da OCDE de 65 e 111 horas respetivamente.