S. Francisco Xavier diz que todos os dias morrem doentes nos hospitais

O Hospital São Francisco Xavier garante que o idoso de 96 anos que morreu nas urgências nesta segunda-feira, onde esteve mais de três horas, foi "assistido e tratado com todos os procedimentos e melhores práticas clínicas a nível internacional".

O hospital avança que o doente apresentava "múltiplas co-morbilidades" e um histórico de vários episódios de internamentos anteriores em serviço de urgência. Através de comunicado, a administração acrescenta mesmo que "todos os dias morrem utentes nos hospitais apesar de corretamente atendidos".

O homem foi vítima de uma queda, sendo transportado ao hospital, onde entrou às 19.10 horas. Seria triado nove minutos depois ficando com pulseira laranja (muito urgente), pelo que deveria ter sido assistido em dez minutos.

Mas terá passado uma hora até ser visto por um médico, que pediu os primeiros exames. Havia de ficar numa maca no corredor junto à secretaria da unidade de Traumatologia a aguardar exames complementares. Porém, quando os enfermeiros foram fazer a recolha de sangue, cerca das 22.00 horas, encontraram o doente em paragem cardiorrespiratória. Viria a morrer 20 minutos depois.

O hospital garante que o homem esteve "sempre" em observação e vigilância médica e com enfermagem intensa. Quando entrou em paragem cardiorrespiratória foi transferido para a sala de reanimação "onde acabou por falecer", acrescenta a administração do São Francisco Xavier, cujas urgências têm funcionado hoje de forma normal. Fonte hospitalar avançou ao DN que as urgências foram reforçadas com mais uma enfermeira e uma auxiliar.

Este caso aumenta para oito o número de mortes nas urgências dos hospitais portugueses no espaço de um mês.

Exclusivos