Rita estava no hospital quando João lhe pediu casamento

(Com vídeo) Relação. Momento estava a ser planeado, mas internamento precipitou pergunta. Casal candidatou-se por sugestão de uma amiga.

Há algum tempo que João Taborda planeava o momento em que iria pedir Rita Resende em casamento, mas, quando a jovem foi internada devido a um problema de saúde, depressa percebeu que o melhor era mesmo não perder mais tempo. "Eu estava numa cama de hospital e ele ajoelhou-se", recorda a advogada de 25 anos, que gosta "de tudo muito tradicional". Não é, por isso, de estranhar que, quando o casal decidiu passar a partilhar casa ainda este ano, a oficialização da relação durante 2014 se tenha tornado um passo indispensável.

A sugestão para concretizarem um sonho para o qual não tinham capacidade financeira partiu de uma amiga da noiva. "Candidatámo-nos quase no último dia do prazo [de inscrições]", revela, acrescentando que a notícia de que tinham sido selecionados chegou quando estava ainda hospitalizada. Agora, preparam-se para, a 12, ter "um casamento de sonho" na Sé.O dia promete ser memorável numa relação que, em 2011, começou por ser profissional. À data, estavam empregados num serviço de apoio ao cliente e, ao facto de trabalharem lado a lado, depressa se juntou o convívio durante as pausas laborais. Meses de "pequenas conquistas" levaram ao início do namoro, a 16 de junho de 2012. O primeiro beijo acontecera antes. O pedido oficial surgiu pouco depois, no Terreiro do Paço.

Hoje, têm profissões distintas - ele é assistente administrativo - e a estabilização das suas carreiras é uma prioridade. "Vamos aproveitar os primeiros anos de casamento e depois dar o passo seguinte - ter filhos", acrescenta o noivo, de 28 anos e residente em Almada.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.