Retirado livro de Alice Vieira para adultos

O livro de poesia para adultos "O que dói às aves", de Alice Vieira, recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para crianças, já foi retirado das listas de obras e o organismo admitiu à Lusa que "houve um engano".

A escritora, conhecida sobretudo pela escrita para crianças e adolescentes, denunciou na segunda-feira à noite no Facebook que aquele livro para adultos estava numa lista de obras do Plano Nacional de Leitura (PNL) sugeridas para crianças do segundo ano de escolaridade.

Alice Vieira indignou-se com o erro, exclamando na rede social que "O que dói às aves" é um livro de poesia de amor para adultos.

À agência Lusa, a autora explicou hoje que a sua editora envia os livros para o Plano Nacional de Leitura sem indicação da faixa etária para quem é sugerido.

"Isso já é trabalho deles [do PNL], mas a ideia que passa é que nem sequer olharam para o livro", disse à Lusa, desvalorizando a situação e esclarecendo que "não há polémica nenhuma".

Contactada pela agência Lusa, a coordenadora do processo de elaboração das listas do PNL, Conceição Barros, admitiu que "houve um engano" e que o livro já foi retirado das obras recomendadas.

"Todos os anos convidamos editores e autores a enviarem-nos livros para apreciação. São milhares de livros colocados numa sala. Há um grupo de pessoas que classifica os livros e separa os selecionados dos não selecionados. Por alguma razão o livro foi incluído", explicou Conceição Barros.

A responsável indicou que o caso remonta a 2009, mas só agora Alice Vieira deu conta do erro.

A equipa que escolhe as centenas de obras que fazem parte das listas de livros recomendados pelo PNL inclui sete pessoas com conhecimentos e formação em diferentes áreas, como literatura infantil, História, Ciências.

As listas são divulgadas em julho, mas todo o processo de selecção decorre nos oito meses anteriores, sendo que há livros que transitam de uns anos para os outros.

"Este engano não pode por em causa todo o Plano Nacional de Leitura. Foi a primeira vez que aconteceu e podia ter acontecido a qualquer um", sublinhou Conceição Barros.

O Plano Nacional de Leitura, que está no sexto ano de atividade, tem, entre os vários programas de promoção da leitura, a sugestão de obras para todos os anos e níveis escolares, desde os seis meses até aos 16 anos, em diferentes etapas, para leitura em voz alta ou leitura orientada em sala de aula.

De Alice Vieira estão selecionados cerca de 40 obras.

O Plano Nacional de Leitura, comissariado por Fernando Pinto do Amaral, foi criado em 2006 com o objetivo de desenvolver nos jovens competências nos domínios da leitura e da escrita.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...