Raríssimas: Trabalhadores reunidos com gabinete financeiro

Cerca de metade dos 150 funcionários da instituição protestaram contra a presença de Paula Brito e Costa na Casa dos Marcos. Exigem que o Governo nomeie uma comissão de gestão

Os trabalhadores da Associação Raríssimas estão reunidos com o gabinete financeiro da instituição, depois de se terem concentrado em frente à Casa dos Marcos, na Moita, em protesto contra a presença da ex-presidente, Paula Brito e Costa.

Funcionários da Raríssimas disseram a Lusa que "cerca de metade" dos 150 funcionários aderiu ao protesto em frente da instituição, onde estão a ser assegurados os serviços mínimos de tratamento e cuidados aos utentes.

"Estamos em protesto pela presença na Casa dos Marcos de uma pessoa em cujas atitudes não nos revemos. Não queremos trabalhar com esta pessoa", disse à Lusa Inês Pedro, funcionária da Raríssimas - Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras.

Os funcionários reclamam desde a semana passada que o Governo nomeie uma comissão de gestão que permita o acesso às contas bancárias da instituição, alertando que podem ficar sem dinheiro para pagar compromissos financeiros.

A assembleia reunida no auditório da Raríssimas aguarda a chegada de Marta Balula, da delegação centro da instituição.

Trabalhadores ouvidos pela Lusa relataram que Paula Brito e Costa chegou acompanhada do marido, também funcionário, e de um segurança.

A presidente demissionária esteve no átrio da Raríssimas a observar os trabalhadores que durante a manhã estiveram concentrados à porta da instituição.

Uma reportagem divulgada em 9 de dezembro pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação, Paula Brito e Costa, como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.