Raríssimas gasta dinheiro em vestidos, BMW e viagens?

Caso da instituição de solidariedade social está a ser investigado pela Polícia Judiciária

Investigação da TVI revela "centenas de documentos" que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social Raríssimas que vive de "subsídios do Estado e donativos".

Segundo esta reportagem, a presidente da Raríssimas, Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras pode ter usado subsídios públicos para fazer vida de luxo.

TVI revela que podem estar em causa "mapas de deslocações fictícias, a compra de vestidos de alta costura, gastos pessoais em supermercados" e que o atual secretário de estado da Saúde, Manuel Delgado, - contratado em 2013 como consultor da Raríssimas - "sabia que a situação" da associação "era insustentável do ponto de vista financeiro."

Em declarações escritas enviadas à TVI, Manuel Delgado refere que nunca participou em "decisões de financiamento" e que a função se resumiu à "colaboração técnica na área de organização e serviços de saúde na Casa dos Marcos."

A TVI refere ainda que a deputada Sónia Fertuzinhos "recusou ser entrevistada" sobre uma viagem que fez pela Raríssimas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG