Queixas de maus tratos a crianças na Associação Sol

Três funcionárias fizeram queixa à PSP sobre actos de violência e foram despedidas.

Três funcionárias da Associação Sol, que recebe e apoia crianças seropositivas, apresentaram na segunda-feira queixa na PSP contra três colegas por maus tratos aos menores que vivem na instituição. Palmadas "por tudo e por nada", que já tinham denunciado em Outubro à presidente da Sol, acrescentam, garantindo que foi isso que fez com que fosse hoje despedidas.Teresa Almeida recusa liminarmente todas as acusações. "Ai de alguém que maltratasse uma criança na Casa Sol", disse ao DN.

A responsável justifica a "não renovação" dos contratos destas funcionárias com a falta de dinheiro e a conflituosidade que estas criaram. Segundo Carla, que trabalha na Sol há quatro anos como empregada de limpeza, sempre houve maus tratos. "Só quando começámos a falar mais entre nós é que ganhámos coragem para denunciar. Como éramos cinco escrevemos uma carta à presidente a contar o que se passava", diz.

A carta foi enviada em Outubro. Foi aberto um inquérito e uma das funcionárias denunciadas, auxiliar de acção educativa, foi suspensa em Janeiro. Teresa Almeida confirma esta parte da história e acrescenta que continua a decorrer um inquérito interno para apurar todas as responsabilidades. Mas lembra que as crianças da Casa Sol, por serem seropositivas, são seguidas com muita atenção. "São crianças que passam a vida no médico. Se isso fosse verdade sabia-se com facilidade", argumenta.

Mas Carla e as colegas apontam o dedo também à directora técnica, à psicóloga e uma encarregada da Casa. "Batem porque as crianças não querem comer, porque não querem dormir, porque correm, ou porque gritam. Por tudo e por nada e castigam mandando para a cama sem comer", alegam. Foi por isso que na segunda-feira foram fazer queixa à PSP.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.