"Não há droga que nos valha contra a governação da extrema-esquerda"

Ricardo Baptista Leite que falou para uma sala meio vazia, no Centro de Congressos de Lisboa

A manhã do segundo dia do congresso do PSD, em Lisboa, foi passada, sem grande entusiasmo nem palmas, a discutir propostas temáticas, sobre problemas como a paridade, a segurança social ou a legalização da canábis.

"Não há droga que nos valha contra a governação da extrema-esquerda. Para combater isso, precisamos de ganhar as eleições", gracejou o deputado Ricardo Baptista Leite que falou para uma sala meio vazia, no Centro de Congressos de Lisboa, onde já estava o líder eleito, Rui Rio.

De resto, tentou sossegar eventuais receios no partido, afirmando que a sua proposta, com base "em evidências científicas", "é conservadora".

E justificou que é uma resposta às propostas do BE e do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), no parlamento, que "querem uma legalização do uso de forma desregulada e sem regras".

Sem tempo para explicar a proposta na sua totalidade, o deputado afirmou que a ideia é "contribuir para dissuadir os consumos e prevenir o tráfico".

Numa sessão com fraca participação, e em que havia um som ambiente das conversas entre delegados, a deputada Joana Barata Lopes tentou chamar a atenção para o seu texto - "Reformar a segurança social: o mito que nos trava, a sedução que nos falha".

Passados alguns minutos do início da sua intervenção, Joana Barata Lopes admitiu que este tema "não seduz, não entusiasma" e que nem delegados, nem jornalistas estariam a prestar-lhe atenção.

A deputada afirmou-se contra "o falso papão da privatização da segurança social", apontou "os remendos" frequentes feitos pelo Governo a cada Orçamento do Estado e que tem um prazo de validade, 2025.

"Não é solidário um sistema que não é sustentável", afirmou, perante a passividade da sala.

Mas, teve palmas quando saudou o presidente cessante, Pedro Passos Coelho, e afirmou, em tom crítico, "como se pode passar de besta a bestial".

Por entre desistências de intervenções, os temas foram-se sucedendo, sobre a água, a paridade, tema levado pela dirigente Lina Lopes, das Mulheres Social-Democratas, ou outra pela construção de uma variante à estrada nacional 14, em Trofa.

Lina Lopes defendeu que é necessário haver mais mulheres em órgãos de topo das empresas ou na função pública e lembrou que, no PSD, as mulheres são 48% dos militantes.

Manuel Frexes, deputado, apresentou uma proposta a favor de um estatuto fiscal para os territórios de baixa densidade, mas advertiu que "a contenda terminou" entre Rui Rio e Pedro Santana Lopes, candidato derrotado nas eleições diretas de 13 de janeiro.

Este será, afirmou, "o congresso da concórdia e da união" em torno do líder, para levar o PSD à vitória e fazer de "Rui Rio primeiro-ministro de Portugal".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG