PSD acusa Vitor Constâncio de "fugir com o rabo à seringa"

Vítor Constâncio alega não poder participar nos trabalhos da comissão de inquérito ao Banif porque o BCE responde perante o Parlamento Europeu

O PSD acusou hoje Vítor Constâncio de querer "fugir com o rabo à seringa" ao recusar participar na comissão inquérito ao caso Banif, frisando que o ex-governador do Banco de Portugal ganha uma "centralidade preocupante" neste processo.

Em declarações aos jornalistas, no parlamento, o deputado do PSD Carlos Abreu Amorim afirmou que o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, "usa e abusa de qualquer pretexto formal para se eximir ao escrutínio" do parlamento português.

Carlos Abreu Amorim frisou que "depoimento após depoimento, documento atrás de documento, está o doutor Vítor Constâncio no caso Banif a ganhar uma centralidade preocupante que levanta muitas dúvidas e inquietações".

"Não podemos ter uma comunicação da diretora do sistema de Concorrência Europeia a dizer que o doutor Vítor Constâncio lhe foi pedir para convencer a comissão a desbloquear a venda do Banif ao Santander e agora o doutor Vítor Constâncio dizer que não esteve envolvido em nenhuma decisão", afirmou.

Numa carta ao presidente da comissão parlamentar de inquérito ao processo de resolução do Banif, Vítor Constâncio alega não poder participar nos trabalhos da comissão por o BCE responder perante o Parlamento Europeu.

Constâncio refere que por decisão da Comissão Executiva do BCE "nenhum membro desta instituição que seja solicitado a testemunhar perante uma comissão parlamentar de inquérito dum parlamento nacional deverá tomar parte da mesma".

Perante a posição assumida pelo vice-presidente do BCE, Carlos Abreu Amorim afirmou que Vítor Constâncio está a prestar "um mau serviço às instituições europeias e a dar todo o ar de que pura e simplesmente não quer dizer aquilo que fez" no caso Banif.

"Deveria ser o próprio a pedir para vir cá esclarecer o seu papel em vez de estar a fugir com o rabo à seringae esta seringa é a seringada democracia, da vontade do povo português", criticou.

O deputado do PSD disse registar "contradições" na recusa de Vítor Constâncio, frisando que esteve presente na segunda comissão de inquérito ao BPN e respondeu por escrito na comissão parlamentar de inquérito ao BES (Banco Espírito Santo).

Carlos Abreu Amorim disse ainda que o PSD continuará a insistir para que Vítor Constâncio preste esclarecimentos na comissão de inquérito e que recorrerá aos meios disponíveis, nomeadamente através do Parlamento Europeu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG