PS admite inquérito, mas é ainda "muito precipitado"

Deputado do PS disse que ainda não há informação suficiente para dizer se #é necessário ou não avançar com um inquérito parlamentar"

O PS defendeu hoje que é "muito precipitado" dizer já que é necessária uma comissão parlamentar de inquérito às transferências para paraísos fiscais sem análise da Autoridade Tributária, durante o anterior Governo, mas admite essa possibilidade.

"Acho que é muito precipitado estar a dizer sim ou não. Nós temos de ser responsáveis no trabalho parlamentar que fazemos, não podemos andar a anunciar todos os dias inquéritos parlamentares, isso é confuso e polui o ambiente político", afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.

O deputado do PS argumentou que é precisa mais informação, nomeadamente a que pode prestar o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e o responsável do anterior Governo PSD/CDS, frisando que no momento atual "nenhum grupo parlamentar tem informação suficiente para dizer que é necessário ou não avançar com um inquérito parlamentar".

"Se aquilo que vamos ouvir por parte do atual Governo acerca daquilo que encontrou na administração tributária e aquilo que nos vai dizer o anterior secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do anterior Governo PSD/CDS for insuficiente ou demasiado grave para passar só por uma apreciação política, nós não podemos fechar essa porta", declarou aos jornalistas no parlamento.

Citado pelo Público, o Ministério das Finanças confirmou que as "omissões" foram detetadas quando, entre finais de 2015 e o início de 2016, foi "retomado o trabalho de análise estatística e divulgação" dos valores das transferências para os centros 'offshore' e os chamados "territórios com tributação privilegiada".

João Paulo Correia esclareceu ainda que as iniciativas legislativas sobre esta e outras matérias, que estão a ser analisadas no grupo de trabalho de combate à fraude e evasão fiscal estarão em condições de ser votadas brevemente.

"Está tudo pronto para que dentro de poucas semanas se conclua o processo legislativo", afirmou, referindo que o grupo de trabalho se reúne hoje.

O deputado socialista afirmou que a proposta do PS espelha o entendimento de que o combate à fuga e evasão fiscal com base em transferências para paraísos fiscais deve ter uma resposta à escala europeia mas também no plano nacional.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG