PS lamenta triunfo de "coligação de mercearia de interesses"

A eleição do italiano António Tajani (PPE) deixa PCP e Bloco de Esquerda sem expectativas no Parlamento Europeu.

O eurodeputado socialista Carlos Zorrinho criticou hoje a "coligação de mercearia de interesses" que levou à eleição do candidato do Partido Popular Europeu, o italiano Antonio Tajani, como presidente do Parlamento Europeu (PE).

"A Europa precisa de clarificação e o candidato que apoiávamos (o socialista italiano Gianni Pitella) apresentava uma plataforma progressista, mas, infelizmente, foi derrotado por uma coligação de mercearia de interesses, que somou pessoas que até há pouco tempo defendiam os Estados Unidos da Europa a outras que proporcionaram que a Inglaterra saísse da União Europeia", afirmou Carlos Zorrinho, em Estrasburgo.

O chefe da delegação portuguesa dos Socialistas & Democratas (S&D) referia-se ao apoio prestado a Tajani pelo belga Guy Verhoftasdt (Aliança Liberais e Democratas Europeus) e e pelos Conservadores e Reformistas Europeus.

"Esta candidatura simboliza aquilo que de pior marcou os últimos anos e o presente da União Europeia. Até pelo acordo que conhecemos entre PPE e liberais, que reafirma as políticas levadas a cabo, aquilo que há a esperar é a persistência dessas políticas", condenou também o comunista João Ferreira, criticando "a grande coligação direita, mas também a social-democracia, os socialista europeus, cujo candidato era "igualmente comprometido".

A deputada bloquista Marisa Matias, igualmente incluída, como o PCP, na Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL), lembrou que Tajani esteve envolvido "no escândalo das emissões poluentes da Volkswagen", além de ter sido "um dos braços direitos de Berlusconi (antigo primeiro-ministro italiano)".

"Não tenho grandes expectativas", resumiu, referindo-se ao PPE, Conservadores, Liberais e à Extrema-direita.

Tajani, que foi "vice" de Durão Barroso na Comissão Europeia, foi o escolhido apenas à última de quatro voltas ao longo do dia, com 351 votos face aos 282 de Pittella.

Na terceira volta, a belga Helga Stevens (Conservadores e Reformistas Europeus), primeira mulher surda belga a praticar advocacia, tinha sido a terceira posicionada, com 58 votos.

A italiana Eleonora Forenza, membro da comissão executiva da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL) - à qual pertencem PCP e BE -, foi a quarta, com 45, seguindo-se o romeno Laureniu Rebega (Europa das Nações e da Liberdade), com 44, e a britânica Jean Lambert (Verdes/Aliança Livre Europeia), com 35.

Além do substituto do socialista Martin Schulz, que vai concorrer ao parlamento alemão nas próximas eleições e pode vir a desafiar a chanceler Angela Merkel, os eurodeputados vão ainda decidir até quinta-feira sobre 14 vice-presidentes do PE, cinco gestores (administração do PE) e os membros das 22 comissões permanentes.

Portugal está representado no PE por 21 deputados, oito do PPE (seis do PSD, um do CDS-PP e um do MPT), oito dos S&D (PS), quatro da GUE/NGL (três do PCP, uma do BE) e um da ALDE (PRD).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.