PS avisa PCP e BE: sem acordo não há moção de rejeição

Carlos César, líder parlamentar dos socialistas, garante que o PS só contribuirá para a queda do Governo se tiver alternativa

O líder parlamentar do PS frisou hoje que um acordo com PCP e Bloco de Esquerda tem de ficar "aclarado" até à discussão do programa de Governo PSD/CDS-PP e só com alternativa consolidada votará ou apresentará uma moção de rejeição.

Carlos César falava aos jornalistas no final de uma reunião com o ministro dos Assuntos Parlamentares, Carlos Costa Neves, na Assembleia da República, ocasião em que optou por usar uma linguagem "prudente e responsável" sobre uma eventual conclusão de um acordo de Governo entre o PS, o Bloco de Esquerda e o PCP.

Não votaremos nem apresentaremos nenhuma moção de rejeição se não tivermos em simultâneo a garantia que temos uma alternativa acordada e consolidada

O presidente do Grupo Parlamentar socialista deixou a seguinte mensagem: "Enquanto não existir um acordo firmado com o PCP e Bloco de Esquerda, não vale a pena valorar o estado das negociações como estando a 90 ou a 40 por cento".

"Quando houver esse acordo, ele deverá ser comunicado e é importante que esse acordo seja aclarado, evidentemente, antes da discussão do programa do Governo [que se inicia na segunda-feira], porque é esse o compromisso do PS. Nós só nos constituiremos como uma força política que contribui para o derrube do Governo PSD/CDS se formos simultaneamente portadores de uma alternativa responsável, estável, com sentido duradouro e que proporcione aos portugueses um sentimento de tranquilidade e de confiança", afirmou.

O presidente do Grupo Parlamentar insistiu neste ponto: "Não votaremos nem apresentaremos nenhuma moção de rejeição se não tivermos em simultâneo a garantia que temos uma alternativa acordada e consolidada com os restantes partidos políticos".

Já no dia 28 de outubro, Carlos César garantira que o PS "só inviabiliza a constituição de um Governo que seja liderado pela coligação PaF (Portugal à Frente) existindo uma alternativa sólida e consolidada de Governo". E acrescentou: "O PS não deixa o país sem Governo".

Hoje indicações de que ainda não há qualquer acordo entre socialistas, PCP e Bloco de Esquerda para a apresentação de uma moção de rejeição conjunta ao programa do Governo PSD/CDS-PP.

Até agora, segundo Carlos César, o PS "não se desviou do cenário" de procurar concluir um acordo sólido com as forças à sua esquerda.

"Se esse acordo for conseguido - e presume-se que tem uma alta probabilidade de o ser -, votaremos a nossa própria moção de rejeição, se for ela a primeira a ser votada. Se assim não for, vale aquilo que dissemos na noite das eleições [de 04 de outubro]: Não deixaremos o país sem Governo", referiu.

O programa do XX Governo Constitucional é discutido na segunda e terça-feira na Assembleia da República, tendo eventuais moções de rejeição de dar entrada até ao final do debate.

Pouco depois das palavras proferidas por Carlos César, o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, reafirmou a intenção de apresentar uma moção de rejeição autónoma ao novo Governo PSD/CDS-PP, aquando da apresentação do seu programa, até "decisão em contrário", e consoante as negociações com PS e BE.

"Essa foi a disponibilidade que assumimos desde a noite das eleições. Não havendo decisão em contrário, essa disponibilidade é a que se mantém. É a única coisa que posso garantir", adiantou, sobre a eventual moção de rejeição autónoma por parte do PCP, acrescentando ainda sobre as conversações à esquerda que "a palavra de um comunista vale tanto como um papel assinado, nesta circunstância", sem qualquer "novidade ou comentário", pois o processo está em curso.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG