Provas de aferição marcadas para 6 e 8 de junho. Mas só são obrigatórias em 2017

Provas do 2.º, 5.º e 8.º anos podem não ser realizadas este ano se escola fundamentar decisão. São obrigatórias apenas a partir de 2017

As provas de aferição dos 2.º, 5.º e 8.º anos já têm data marcada: dia 6 de junho para a disciplina de português e dia 8 do mesmo mês para matemática. O anuncio foi feito esta manhã pelo ministro da educação, Tiago Brandão Rodrigues, em Conselho de Ministros. O responsável adiantou que as provas só se tornam obrigatórias a partir do próximo ano.

No caso do primeiro ciclo quer a prova de matemática como a de português terão uma componente de estudo do meio. Mas se as escolas fundamentarem o pedido, os exames de aferição poderão não se realizar este ano. Uma solução transitória, tal como a possibilidade de se realizarem provas para os 4.º e 6.º anos.

"Na sequência de audições a mais de 800 diretores de agrupamentos de escolas e não agrupadas foram criadas duas disposições transitórias que permite que as escolas que este ano não queiram fazer as provas de aferição dos 2.º, 5.º e 8.º anos o passam decidir, se de forma fundamentada assim o desejarem. Mas é importante que entendam a importância da prova de aferição. Em 2017 a prova será de aplicação universal e obrigatória", afirmou o ministro da Educação.

Também como medida transitória, a possibilidade de as escolas que queiram fazer provas de aferição nos 4.º e 6.º, para obter dados, o possam fazer. O ministério vai fornecer uma matriz e um guião para validação de resultados às escolas que queiram fazer as provas. "Estas disposições só são válidas este ano e vêm ao encontro das perguntas e inquietações dos professores", afirmou Tiago Brandão Rodrigues.

O ministro adiantou ainda que todo o modelo integrado tem sido bem recebido pelos diretores de escola e garantiu que "a solução transitória não provoca nenhum problema de equidade".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.