Professor: aceita trocar tempo congelado por reforma antecipada?

Pergunta será colocada, num inquérito online, pelas dez organizações sindicais de professores que convocaram a atual greve às avaliações. Governo já foi questionado sobre este cenário no passado. Mas mostrou pouca abertura

As organizações sindicais de professores vão consultar os seus associados "sobre a possibilidade dos anos de serviço congelados reverterem, voluntariamente, para antecipar a aposentação dos docentes". Esta foi uma das ideias aprovadas, quarta-feira, numa reunião entre estas estruturas.

De acordo com um comunicado do Sindicato Independente e Democrático dos Professores (SIPE) , "na consulta, que será realizada via e-mail, durante o próximo fim de semana (30 de junho e 1 de julho) e segunda e terça-feira (2 e 3 de julho), presencialmente nas escolas aos docentes, serão também abordadas alternativas relacionadas com a negociação do período de tempo de serviço a recuperar e a forma de faseamento, além de debatidas novas formas de luta para o primeiro período do próximo ano letivo. O resultado dos inquéritos será comunicado no próximo dia 5 de julho".

A possibilidade de os nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado poderem ser parcialmente compensados através de uma redução correspondente do tempo para a reforma já tinha sido avançada pelos sindicatos, em reuniões realizadas no Ministério da Educação. No entanto, a ideia não terá sido recebida com muito entusiasmo por parte da tutela, já que a eventual poupança imediata em termos de progressões salariais poderia não compensar os encargos futuros com as reformas destes docentes.

Os sindicatos prometem ainda desafiar o Ministério a retomar as negociações. "O ministro da Educação diz que está aberto à negociação, mas, como já se viu ao longo deste processo negocial, não passa de intenções e palavras", critica o SIPE, revelando que as organizações sindicais, " além da consulta aos professores, irão entregar uma carta aberta ao Ministério da Educação, na próxima segunda-feira, demonstrando a boa vontade e intenção de reatar negociações, cabendo então ao Ministro enviar a convocatória para que as mesmas se possam efetivar".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG