Primeiro cardeal de Cabo verde quer ajudar o Papa a mudar a Igreja

D. Arlindo Furtado vai ser o primeiro cardeal do arquipélago africano. O ainda bispo de Santiago revela que vai continuar "numa linha pastoral de atenção aos mais pobres".

D. Arlindo Furtado é um homem de estreias: foi o primeiro bispo da diocese do Mindelo (criada em 2004) e agora, aos 65 anos, tornou-se o primeiro cardeal de Cabo Verde, a mais antiga Igreja africana. Na sua longa carreira - foi ordenado padre em 1976 - muitas datas tem para recordar, mas o dia 4 de janeiro de 2015 será, provavelmente, aquela em que recebeu a notícia mais surpreendente: o Papa Francisco anunciou que D. Arlindo vai entrar no lote dos seus conselheiros a partir de 14 de fevereiro.

O bispo de Santiago confessou ao DN ter sido apanhado de surpresa por esta nomeação inédita, mas frisa que a notícia acaba por ser "gratificante para a Igreja de Cabo Verde". Disponível para trabalhar com o Papa "no que for preciso" em Cabo Verde, garante que vai manter a ação que o trouxe até aqui: "Continuar a servir, numa linha pastoral de proximidade, valorização da Palavra de Deus e atenção aos mais pobres." Afinal, uma atuação que o Papa defende.

Na entrevista ao DN, pelo Facebook, lembra as raízes históricas da presença da Igreja Católica no arquipélago - é a mais antiga na África Subsaariana. "Há umas décadas tinha sob a sua alçada de evangelização a parte ocidental do continente africano. Portanto não é importante apenas a Igreja nestas ilhas, mas também a Igreja presente no próprio continente africano, sobretudo na parte que vai do Senegal até Serra Leoa."

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG