Previstos constrangimentos nos aeroportos este sábado

Os trabalhadores da Prosegur e Securitas nos aeroportos nacionais fazem uma paralisação de 24 horas

A ANA - Aeroportos de Portugal aconselha os passageiros com voos no sábado a deslocarem-se para os aeroportos com uma antecedência superior à habitual, admitindo constrangimentos devido à greve dos trabalhadores da segurança.

Face ao pré-aviso de greve para os trabalhadores de empresas de segurança, a gestora dos aeroportos portugueses recomenda "aos passageiros que se desloquem para os referidos aeroportos com antecedência superior à habitual", admitindo que "é previsível que o processamento de passageiros nos aeroportos nacionais sofra constrangimentos amanhã [sábado]", lê-se no comunicado da ANA hoje divulgado.

Os trabalhadores da Prosegur e Securitas nos aeroportos nacionais, que começaram na quarta-feira uma greve ao trabalho extraordinário, fazem uma paralisação de 24 horas no sábado, marcada após mais de nove meses de negociações entre o sindicato e a Associação das Empresas de Segurança (AES) para a celebração de um novo contrato coletivo de trabalho.

"Os trabalhadores destas duas empresas são responsáveis pela segurança de cerca de 40 milhões de passageiros que, por ano, passam pelos aeroportos portugueses e, com as condições em que trabalham, mais tarde ou mais cedo, podemos vir a ter problemas graves. É a altura de olhar com atenção para esta questão", disse recentemente à Lusa o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) Fernando Henriques.

Os trabalhadores das empresas Prosegur e Securitas asseguram o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros e também dos trabalhadores dos aeroportos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.