Portugal já acionou mecanismo europeu de proteção civil

A Itália já disponibilizou um avião Canadair e aguardam-se respostas dos outros estados-membros da UE

O Governo português já acionou formalmente o mecanismo europeu de proteção civil e já obteve a resposta positiva de um avião Canadair italiano que virá para Portugal ajudar no combate aos incêndios, disse à Lusa fonte oficial.

Segundo a fonte do Ministério da Administração Interna, o governo português já fez o pedido formal de ajuda aos Estados membros da União Europeia em matéria de proteção civil para fazer face aos muitos incêndios que lavram no norte e centro do país. A Itália já disponibilizou um avião Canadair, o qual se juntou a outros dois aviões mobilizados por Espanha.

"A União Europeia está solidária com Portugal na ajuda ao combate aos fogos que lavram no país [...]. Os nossos pensamentos estão com todos os que foram afetados e com os bombeiros que estão a dar o seu melhor para combater os incêndios", sublinha o comissário para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, num comunicado.

Portugal está a braços com uma situação complexa: na Madeira, já morreram três pessoas e uma está desaparecida devido aos vários focos de incêndio que continuam a lavrar. Há centenas de desalojados, dezenas de casas destruídas e avultados danos materiais. Em Águeda, no Préstimo, o incêndio que chegou a estar controlado reacendeu-se na madrugada desta quarta-feira e a situação está descontrolada, tendo sido pedidos meios aéreos com urgência.

Já em Dornes, Ferreira do Zêzere, uma pessoa morreu num incêndio que destruiu duas viaturas dos bombeiros sapadores. Também um incêndio no concelho de Albergaria-a-Velha, distrito de Aveiro, está "descontrolado" e a colocar "casas em risco" em Soutelo, Sernada e Foz do Rio Mau, sendo necessário um reforço de meios, revelou o comandante dos bombeiros.

O mecanismo europeu de proteção civil é uma bolsa de meios disponibilizada pelos Estados membros da UE que permite que outros peçam ajuda em casa de necessidade, por exemplo, incêndios, cheias, sismos, ou outros.

Para a região da Madeira foram já enviados cerca de 135 efetivos, 115 oriundos de Lisboa e outros 30 Açores, para reforçar as equipas no combate aos incêndios.

No continente, a Autoridade de Proteção Civil (ANPC) considerava como "ocorrências importantes" na sua página às 12:30 sete incêndios rurais nos concelhos de Águeda, Gondomar, Arouca, com dois fogos ativos, Arcos de Valdevez, Viana do Castelo, Sabugal, Barcelos, Castelo de Paiva, Anadia, Santa Maria da Feira e Penafiel.

Presidente de Governo da Madeira desvaloriza questão dos meios aéreos

O presidente do Governo Regional da Madeira desvalorizou as críticas relacionadas com o recurso a meios aéreos no combate a incêndios de grandes dimensões no arquipélago, considerando que os estudos divergem sobre a sua utilização. "Eu confesso a minha ignorância. Eu já estudei dois dossiês sobre o assunto", disse Miguel Albuquerque aos jornalistas quando confrontado com a situação.

O governante declarou ser "um político", pelo que não se considera "tecnicamente habilitado" para opinar sobre este assunto. Contudo, acrescentou que já leu dois relatórios sobre a utilização dos meios aéreos no combate a este tipo de situação, um dos quais apontava que seria "muito condicionada, devido à natureza dos ventos e dos vales" na ilha.

Albuquerque acrescentou que o outro estudo "desaconselhava" este recurso, dado a "relação custo/ benefício ser completamente desproporcionada".

Exclusivos