Portugal e Líbia vão assinar acordo sobre formação militar e construção naval

Portugal vai assinar um memorando de entendimento com a Líbia no domínio da construção naval e da formação militar, tendo o ministro da Defesa português defendido que "é muito importante restaurar" a cooperação com este país nesta nova fase.

"É muito importante nesta nova fase restaurar os laços de cooperação com a Líbia e, a esse nível, foi possível definirmos algumas linhas de orientação para o futuro, que serão objecto de um memorando que será feito por Portugal e que visa, por um lado, a formação de líbios em Portugal na área militar, e também nas indústrias navais, nomeadamente ao nível da construção naval, porque a Líbia precisa de recuperar a sua estrutura que durante a guerra foi destruída", afirmou José Pedro Aguiar-Branco.

O governante português falava aos jornalistas em Nouakchott, na Mauritânia, depois de um encontro com os ministros da Defesa da "Iniciativa 5+5". No sábado à noite, pouco depois de chegar ao país, Aguiar-Branco manteve uma reunião bilateral com as autoridades líbias presentes, no sentido de "alinhavar pontos de cooperação nesta nova fase da Líbia". O memorando, especificou Aguiar-Branco, "será enviado" por Portugal brevemente.

Nesta visita à Mauritânia, o ministro veio acompanhado pelo diretor-geral de Política de Defesa, Luís Faro Ramos, e pelo seu adjunto diplomático. Já questionado sobre o processo de escolha do novo chefe do Estado-Maior do Exército, cujo nome deve ser conhecido esta semana, o ministro disse que "o Governo já tem a sua posição". O substituto do general Pinto Ramalho, que deixa o cargo ao fim de cinco anos, deverá ser o general Pina Monteiro, atualmente colocado na sede da NATO, em Bruxelas, como representante militar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG