Portaria permite gestão conjunta de recursos hospitalares

A ministra da Saúde anunciou hoje a publicação de uma portaria que permite gerir recursos hospitalares em conjunto, abrindo assim a porta à unificação das urgências de obstetrícia pedida pelo corpo clínico da Maternidade Alfredo da Costa (MAC).

"Estamos no centro de Lisboa e os dois locais de parto, que são a 500 metros um do outro, provavelmente vão ter de trabalhar em conjunto, aplicando aquilo que é a portaria que vai sair na terça-feira", afirmou hoje Ana Jorge aos jornalistas durante uma visita às urgências do hospital Dona Estefânia, em Lisboa.

A portaria, que será publicada na terça-feira, define a criação do grupo hospitalar que articula uma relação "mais fácil e eficaz" entre o Hospital Curry Cabral, o Centro Hospitalar Lisboa Central (São José, Capuchos, Santa Marta e Dona Estefânia) e a Maternidade Alfredo da Costa. Segundo fonte do Ministério da Saúde, "não há qualquer alteração dos conselhos de administração".

De acordo com a ministra, a portaria "permite gerir, quer recursos, quer outros em conjunto para continuar a ter serviços de qualidade".

O corpo clínico da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) defendeu hoje a rápida unificação das urgências desta unidade com as do hospital Dona Estefânia, alertando que o futuro da MAC "pode estar comprometido a curto ou médio prazo". "Parece claro para todos que, no momento atual de contenção orçamental, não é lícito manter abertas em Lisboa, com localização extremamente próxima, duas unidades da mesma área, carenciadas de profissionais e que têm gastos orçamentais para se manterem abertas", afirmou hoje Ana Campos, directora do serviço de medicina materno fetal da MAC.

A portaria vem também formalizar uma prática que começou a ser levada há alguns anos nas urgências pediátricas de alguns hospitais da zona de Lisboa. Por exemplo, em 2002, as urgências pediátricas nocturnas na zona de Lisboa passaram a estar concentradas, em alternância, entre os hospitais Santa Maria e D. Estefânia. "Em períodos de crise, como o verão, quando há menos recursos, eventualmente teremos que concentrar algumas urgências. Isto foi feito no ano passado e em anos anteriores na zona de Lisboa e Vale do Tejo", disse Ana Jorge.

A ministra admitiu que esta prática poderá estender-se a outras especialidades. "É preciso fazer um trabalho de fundo para perceber se é preciso tantas urgências abertas, por exemplo no período noturno. Todos sabemos que há especialidades que, em Lisboa, têm uma ou duas pessoas por noite no período noturno", referiu.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.