Polícias não aceitam congelamentos remuneratórios

O Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) decidiu hoje que "não aceita quaisquer congelamentos" remuneratórios e de progressão nas carreiras, tendo a direcção ficado mandatada para de "forma imediata e urgente" iniciar um processo negocial com o Governo.

No final de uma Assembleia Geral (AG), o presidente do SINAPOL, Armando Ferreira, referiu também à Agência Lusa que, tendo em conta a situação financeira do país, os associados aprovaram uma proposta que prevê que a diferença entre aquilo que os polícias auferem e já deviam estar a auferir, no âmbito do novo estatuto profissional, possa ser pago em títulos do Tesouro.

Isso - frisou Armando Ferreira - evitaria uma "despesa imediata" para o Orçamento do Estado.

Durante a AG, a direcção do SINAPOL ficou mandatada para iniciar negociações com o Ministério da Administração Interna (MAI) para se chegar a "um consenso e a um acordo" naquelas matérias.

Caso não haja qualquer acordo, a direcção do SINAPOL ficou mandatada para decidir formas de luta que podem passar pela "adesão" a protestos já agendados por outras organizações sindicais da Polícia de Segurança Pública (PSP).

A AG do SINAPOL foi convocada para debater os "acontecimentos em curso na PSP" e, caso necessário, a "adopção de eventuais jornadas de luta em nome dos direitos dos polícias".

O SINAPOL diz não ter medo de "represálias disciplinares" porque a defesa dos direitos dos profissionais da PSP são "primordiais a tudo o resto".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG