PJ faz buscas na Casa dos Marcos e na residência de Paula Brito da Costa

Inspetores da Unidade Nacional Contra a Corrupção da PJ fizeram buscas também no gabinete de Manuel Delgado, secretário de Estado da Saúde que se demitiu

Dezenas de inspetores da Unidade Nacional Contra a Corrupção estão a realizar várias buscas no âmbito de um processo crime sobre a associação Raríssimas. O DN apurou que a casa de Paula Brito da Costa, o gabinete do antigo secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado no Ministério da Saúde e a Casa dos Marcos são os principais alvos dos investigadores. O inquérito em curso corre no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

A PJ vai analisar os dados guardados no computador de trabalho de Paula Brito da Costa.

A Procuradoria-Geral da República, numa resposta à Lusa, confirmou a realização das buscas, "no âmbito do inquérito que se encontra em investigação no DIAP de Lisboa".

Uma investigação da TVI mostrou documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social por parte de Paula Brito da Costa, que terá alegadamente usado dinheiro para gastos pessoais.

Paula Brito e Costa esteve esta quarta-feira na associação que acolhe pessoas com doenças raras, na Moita, motivando protestos dos funcionários. Deixou o edifício pelas 17h15, acompanhada no carro pelo marido, que escondeu completamente a cara com o capuz de um casaco.

Numa declaração lida aos jornalistas à porta da Casa dos Marcos, Marta Balula, vogal da direção, anunciou a "suspensão preventiva" de Paula Brito da Costa por indícios de "ilícito laboral".

Paula Brito da Costa foi suspensa por 30 dias do cargo de diretora-geral, período durante o qual será iniciado um processo disciplinar para averiguar as queixas que recaem sobre a ex-presidente.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.